2

Você conhece o Ecogranito?

Elyzia Rodrigues | 23.8.16 | | | | |
Construir utilizando processos mais industrializados é uma tendência cada vez mais evidente.

A necessidade de minimizar os custos de produção, unida a necessidade de materiais com aplicabilidade mais prática e rápida, em razão do pouco desenvolvimento técnico da mão de obra, tem levado a indústria de construção a desenvolver diferentes alternativas de produtos.

Foto: Imgrum

E esse desenvolvimento tecnológico amplia a cada ano a oferta de revestimentos com variadas características.

Fabricado a partir de resíduos gerados do processo de extração de mármores e granitos misturados a resina acrílica, coalescentes, espessantes, microbicidas não metálicos, pigmentos inertes e água, o Ecogranito é um produto de aplicação simples e rápida, além de oferecer grande versatilidade de uso.

O Ecogranito pode ser aplicado em superfícies de diferentes formatos, mesmo aqueles em curvas circulares ou ovais e de formas mais orgânicas. As emendas de aplicação são imperceptíveis, permitindo retoques e consertos sem criar diferenças de acabamento.

O Ecogranito é fabricado com uma tecnologia que permite que o produto transpire, proporcionando ao ser aplicado um ambiente interno mais agradável e com maior resistência a infiltrações se comparado a outros tipos de revestimentos do mercado.

Foto: Habitissimo

Resistente à exposição solar, chuva, poeira, poluição, tem com comportamento semelhante à pedra natural.

O Ecogranito é um revestimento de forma pastosa que vem pronto para ser aplicado. Sua aplicação é simples, com menos etapas, e alta produtividade da equipe de execução.

É um produto com baixo índice de perda e/ou desperdício, devido à alta aderência do produto e facilidade de aplicação, pode ser aplicado em diversos materiais como outros tipos de revestimentos, vidro, metal, isopor, plástico, entre outros.

Para uma aplicação de qualidade, a superfície a ser aplicada deve estar seca, nivelada, limpa de poeira, gorduras e mofos.

Foto: Lugar Certo

Para remoção de manchas de gordura ou graxa será preciso lavar a superfície com solução de água e detergente neutro, já as paredes com mofo, deve-se lavar com solução de água sanitária, nos dois casos, enxaguar bem e aguardar secagem.

As paredes de blocos de cimento nivelar os espaços formados pelas juntas com reboco traço 3:1, para paredes externas indica-se argamassa CIII, aguardar tempo de cura caso seja nova.

Depois de tratar a superfície, aplicar duas demãos de selador com intervalo de 6 horas entre elas, em 24 horas pode-se aplicar o Ecogranito.

 Foto: Ecogranito
Antes de iniciar a aplicação é preciso dividir a superfície em quadrantes com fita dupla face espumada, sem retirá-las do lugar aplica-se o Ecogranito com uma desempenadeira com uma espessura de 2,0mm alisando até dar o acabamento ao material.

É importante não deixar a massa de Ecogranito secar na desempenadeira, pois isso vai dificultar o alisamento, para isso não acontecer, deve-se mantê-la sempre  molhada.
Após aplicação do Ecogranito, retirar as fitas adesivas espumadas e alisar suas laterais. Os locais em que a fita foi retirada deixam à mostra o primer aplicado anteriormente, dando a impressão que o Ecogranito é uma peça com rejuntes.

A secagem total do produto ocorre em 7 dias e a cura em 60 dias.

 Foto: Habitissimo

O fabricante oferece garantia de 5 anos, mas se bem conservado pode durar mais.

A aplicação do selador e do Ecogranito deve ser evitada em dias chuvosos ou muito úmidos.

Para limpeza da superfície, usar água e sabão neutro, pode também usar água pressurizada, mas somente depois dos 60 dias de cura.
Para mais informações sobre como aplicar o Ecogranito, clique aqui.

2 comentários:

  1. Olá Elyzia,
    muito interessante esta matéria.
    Parece ser mais uma ótima opção.
    No entando ficou uma dúvida...
    este produto pode ser aplicado como PISO também?

    ResponderExcluir
  2. A armadilha do Granito Ecológico


    Em um contexto de elevada inovação tecnológica e degradação ambiental, o desenvolvimento de materiais e insumos mais sustentáveis tem obtido êxito. Entretanto, faz se necessário uma análise minuciosa acerca dos benefícios e malefícios do uso destes suprimentos em obras civis. Neste estudo será dada ênfase aos revestimentos externos do tipo monocamada, como o granito ecológico.
    O revestimento de camada única pode ser denominado de monocamada e, frequentemente, é conhecido como ”monomassa” (SOUZA, 2009). Monomassa pode ser conceituada como: ”Argamassa que funciona simultaneamente como enchimento e acabamento de paredes” .
    De acordo com a Revista Téchne, a principal vantagem das argamassas industrializadas para revestimento de fachada, comparada às argamassas produzidas em obra, está na simplicidade do controle da produção, sendo necessária apenas a verificação da quantidade de água adicionada, do tempo de mistura e do mecanismo de preparo, sendo contraindicado o uso de qualquer tipo de misturador.
    Em contrapartida, o Engº Ercio Thomaz, doutor em Engenharia Civil pela Universidade de São Paulo, conselheiro do Instituto Brasileiro de Concreto e pesquisador do Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo, alerta para os cuidados especiais demandados pela utilização de revestimentos de monocapa. Dentre as considerações feitas, destacam-se:
    • A necessidade de mão de obra especializada para se conseguir sempre o mesmo padrão de acabamento nos diversos pontos da fachada, por exemplo, grande dificuldade ou mesmo impossibilidade de reparos ou emendas;
    • A maior retenção de poeira quando texturadas e menor capacidade de absorver recalques ou deformações da estrutura;
    • A não recomendação do uso de argamassas decorativas em locais de exposição à água, como peitoris de janelas e bases de paredes de fachada ou paredes internas de áreas molháveis.
    Ademais, em um estudo comparativo entre sistemas de revestimento de fachada monocapa e convencional, desenvolvido pela Engª Bárbara Banczynski Salgado junto ao Departamento de Construção Civil da Universidade Tecnológica Federal do Paraná, são apresentados dados referentes à utilização deste tipo de revestimento em grandes obras de engenharia. De acordo com os resultados obtidos, apenas 33,33% das empresas entrevistadas utilizam revestimento de monocapa em fachadas, sendo todas do setor de construção popular. Outra informação relevante da publicação é o índice de qualidade do sistema de revestimento externo em monocapa, comparado ao convencional. O gráfico abaixo evidencia os resultados explanados, que demonstram o elevado grau de insatisfação dos engenheiros com os resultados obtidos com o uso de argamassas decorativas.
    Ainda de acordo com o estudo em questão, ficou evidente a dificuldade para execução de manutenção e retoques no revestimento externo. Tal fato se deve a desbotamentos ocasionados pela natureza dos pigmentos utilizados nos revestimentos de monocapa, aliado à diferença no padrão de acabamento em diversos pontos da fachada.
    A análise dos dados apresentados em diversos estudos permite concluir que a utilização de argamassas decorativas deve se restringir a ambientes internos, evitando assim a ocorrência de desbotamentos, e a empreendimentos comerciais ou residenciais voltados para públicos cujo foco principal não seja a estética da fachada.

    ResponderExcluir