Dica da Arquiteta

Dica da Arquiteta

Energia elétrica com Sistema de energia solar ou sistema fotovoltaico

Elyzia Rodrigues | 10.1.17 | | | | | | | Seja o 1º a comentar!!
A alta acumulada da energia elétrica nos últimos anos, a escalada de preços da eletricidade e as incertezas do futuro da economia vem impactando diretamente a qualidade de vida das pessoas.

Nesse cenário dá-se início á criação de diferentes fontes de geração de energia elétrica e umas delas é a captação de energia solar através de placas fotovoltaicas.  

Foto: Portal Solar

O sistema de energia solar ou sistema fotovoltaico é um sistema capaz de gerar energia elétrica através da radiação solar.

Existem dois tipos básicos de sistemas fotovoltaicos: Sistemas Isolados e Sistemas Conectados à Rede.

Os Sistemas Isolados são utilizados em locais remotos ou onde o custo de conectar o imóvel á rede elétrica é elevado. São utilizados em casas de campo, casa de retiros, mas também na iluminação de vias e telecomunicações, etc. 

Os Sistemas Conectados já são conectados à rede, substituem ou complementam a energia elétrica convencional disponível na rede elétrica. 

Foto: Luciano Egídio 

Vamos nos ater nessa postagem aos sistemas conectados á rede para que você tenha uma noção mais clara do custo-benefício do sistema. 

Embora o investimento a esse sistema ainda seja alto para a maioria das pessoas, á medida que essas inovações evoluem mais baratas vão ficando as instalações e mais rápido o retorno do investimento.

Para saber qual é o sistema de energia solar residencial ideal para sua casa, a primeira coisa a fazer é analisar a sua conta de luz e verificar o consumo mensal de energia elétrica que é mostrado em kWh. 

Foto: Energitec Solar

O sistema fotovoltaico padrão conectado na rede elétrica da sua residência é composto por um kit com placas solares, os painéis fotovoltaicos, inversor solar, estrutura de fixação, cabos e conectores específicos para energia fotovoltaica e alguns outros materiais elétricos que você pode encontrar em qualquer loja especializada.

O ideal é comprar o sistema fotovoltaico completo. 

Um sistema fotovoltaico completamente independe necessita da instalação de baterias, porém custa mais caro, se quer dizer “goodbye forever” à distribuidora de energia elétrica da sua cidade esta é uma solução possível.

Foto: Viridian

FUNCIONAMENTO

O painel solar instalado no telhado da casa gera energia elétrica em corrente continua quando a luz do sol incide sobre nele, a energia gerada pelo painel solar passa pelo inversor solar que alterna a corrente contínua para alternada e, equaliza com a frequência da sua residência.

Desta forma a energia solar e energia elétrica se tornam iguais.

A energia sai do inversor e é conectada á rede de energia da sua casa, normalmente o sistema é conectado junto ao quadro de distribuição elétrica.

Foto: N5sis 

Essa energia elétrica vai sendo utilizada pelas luzes da casa, eletrodomésticos e tudo o que consome energia que esteja conectado nas tomadas. 

Nos dias em que não houver sol suficiente (dias chuvosos, por exemplo) para gerar energia para sustentar o consumo diário de sua casa, a Distribuidora de energia da sua cidade fornece o restante necessário.

Se o sistema instalado na sua casa gerar mais energia solar do que o consumo diário, essa energia excedente segue para a rede da distribuidora elétrica e gera um “crédito de energia” para você. Esse crédito será usado automaticamente nos dias em que seu sistema gerar menos energia, e pode ser utilizado em até 36 meses.

Foto: Renovar Soluções Sustentáveis

O sistema de energia solar ou sistema fotovoltaico apresenta uma série de vantagens que vale a pena serem consideradas:

- Além de diminuir a conta de luz e economizar energia, sua residência se torna independente dos constantes aumentos das tarifas. 

- Embora o sistema se utilize de geradores ele não gera barulho, nem poluição.

- Sua instalação é rápida, as empresas conseguem instalar o sistema completo com 1 dia de trabalho. 

- Sua manutenção é muito baixa. Os painéis requerem uma limpeza básica com água a cada 6 meses. 

- Para o inversor solar será necessário substituir algumas peças depois de 5 ou 10 anos. No geral o sistema de energia solar para residências é feito para durar 25 anos com manutenção mínima. O risco de choque durante a manutenção é muito baixo desde que instalado corretamente.

- Existe a possibilidade de instalação em apartamento, desde que este tenha espaço suficiente para tal, mas é pouco provável que tenha pois os apartamentos atuais tem áreas muito reduzidas.

Foto: Renovar Soluções Sustentáveis

- A instalação do sistema para as unidades habitacionais de um condomínio vai depender se sua laje de cobertura é grande o suficiente para acomodar a dimensão necessária do sistema. 

- Escolhendo um sistema de fixação de boa qualidade poderá remover os painéis solares, o inversor e até mesmo algumas partes do sistema de fixação podem ser desaparafusadas e reaproveitadas em uma mudança de casa. 

- As placas solares de qualidade possuem, em sua maioria, um vidro temperado de 3,2 mm á prova de granizo. Embora bastante resistentes, você não deva andar sobre elas, pois isso cria microfissuras nas células fotovoltaicas e você muito provavelmente terá um desempenho muito menor.

Os custos com o sistema de energia solar variam de acordo com a dificuldade de instalação no telhado, o tipo de telha e com a qualidade dos componentes. 

Foto: Portal Solar

O custo de um sistema fotovoltaico varia de acordo com a área da casa e seu consumo de energia elétrica
Casas pequenas consumo até 1,5wp entre de R$ 15.000 a R$ 20.000.
Casas médias, consumo entre 2 e 3 wp custa de R$ 19.000 a R$ 32.000.
Casas grandes consumo entre 4 e 5wp custa de R$ 32.000 a R$ 47.000.

Sim, o custo ainda é alto e o retorno é por volta de 6 anos. Mas ainda assim, vale a pena se planejar para buscar o máximo de independência frente a alta de custo da energia elétrica.

Animado para começar a investir nesse sistema? 

Procure um fornecedor de sua confiança e um arquiteto para que eles trabalhem em parceria e a instalação das placas não interfira na estética da sua casa.

Quem já tem um sistema de energia solar conta pra gente sobre mais detalhes!

Ah, tem outras postagens bem interessantes aqui: 

Continue lendo ►

As 7 postagens mais curtidas do ano!

Elyzia Rodrigues | 27.12.16 | | | | | | | | Seja o 1º a comentar!!
Fim de ano...
A gente olha pra trás para rever os erros, acertos, aprendizados e ensinamentos.
Foram várias postagens ao longo do ano e as 7 postagens mais lidas, curtidas e compartilhadas
estão listadas aqui: 

Esta postagem aborda as principais características das tintas e de que maneira essas interferências influenciam as escolhas para os ambientes que vamos pintar. 


Apesar de exigirem um pouco mais de cuidado na instalação as pastilhas de inox são tão resistentes,
duráveis e versáteis como as outras pastilhas.


Nada melhor do que entender um pouco mais sobre madeira para que as decisões entre marcenaria e arquitetura fiquem mais claras trazendo um resultado final ideal para os profissionais e principalmente para os clientes.



Revestir com aço é a garantia de resistência, durabilidade e, no caso do aço corten muita beleza.
Além disso, o aço corten necessidade de pouquíssima manutenção.


Além dos padrões cromáticos variados, proporcionados tanto por faces polidas quanto naturais, as ardósias se destacam em revestimentos internos pela grande afinidade estética com outros materiais como madeiras, metais, louças, tecidos e tapeçarias.

O toldo pode ser uma excelente opção para cobertura, pois pode permanecer aberto ou fechado de acordo com a demanda e por ser suspenso garante que o espaço que cobre continue livre.


Apesar de exigir mão de obra especializada, características como baixa utilização de água, economia de energia, utilização de material reciclável, baixo volume de resíduos gerados, menor tempo de construção, versatilidade, precisão construtiva e controle de custos tem feito desse sistema construtivo uma das melhores alternativas atuais para a construção.

Continue lendo ►

Boas Festas!

Elyzia Rodrigues | 23.12.16 | | | | | Seja o 1º a comentar!!
Muito obrigada a todos que visitaram, leram as postagens e compartilharam. 
Espero em 2017 o meu trabalho continue gerando valor a cada um de vocês.

Entre os dias 24/12/16 e 08/01/17 aproveitarei para descansar e curtir a família e os amigos. 
Aproveitem vocês todos também !

Nos vemos em 2017 com a mesma alegria de sempre!

Desejo que o Natal de cada de nós seja brilhante de alegria, iluminado de amor, cheio de harmonia e completo de paz.

Feliz Natal e Feliz Ano Novo


Continue lendo ►

Arquitetos criam projetos através das mídias sociais

Dica da arquiteta | 20.12.16 | | | | | | Seja o 1º a comentar!!
É rápida a mudança na forma como os serviços são oferecidos e utilizados pelas pessoas, vale lembrar a revolução no mercado que serviços como Uber ou AirBnB tem efetuado em todas as partes do mundo, e na Arquitetura não poderia ser diferente.

A participação do cliente na concepção de produtos e serviços é hoje mais comum do que se imagina.

As mídias sociais são hoje uma ferramenta que faz parte do trabalho de muitos profissionais, mas como fazer isso com projetos de arquitetura?

Marc Kushner é um arquiteto americano que divide seu tempo entre a concepção de edifícios 
no escritório de arquitetura que ele co-fundou com Matthias Hollwich, o HWKN,  e acumulando arquitetura do mundo no site que ele administra, Architizer.com

Foto: HWKN

Ambos têm a mesma missão: reconectar o público com a Arquitetura

A crença essencial de Kushner é que a arquitetura afeta a todos e todo mundo é fã de arquitetura, mesmo que eles não saibam disso ainda. 

"A arquitetura não diz respeito apenas à matemática ou ao zoneamento, mas também a emoções viscerais" diz Marc Kushner.

Em uma abrangente, e por várias vezes engraçada, palestra, ele passa pelos últimos trinta anos de arquitetura para mostrar como o público, antes desconectado, se tornou parte essencial do processo.

Foto: TED 

Com auxílio das mídias sociais, o feedback chega aos arquitetos anos antes de a construção ser concebida. 

O resultado? Uma arquitetura que fará mais por nós do que nunca.
Continue lendo ►

Cortinas - Aprenda a escolher o tipo ideal para você

Elyzia Rodrigues | 14.12.16 | | | | | | Seja o 1º a comentar!!
No post da semana passada sobre insônia, falamos que se você mesmo que seguindo todas as recomendações para uma boa noite de sono, ainda assim não dorme bem, o problema pode estar no seu quarto.

Foto: Forma Expressa

E um desses problemas pode ser a falta de uma boa cortina.

É muito comum me perguntarem se é mais adequado usar cortinas ou persianas em ambientes residenciais, mas o que eu sempre digo é: Depende do você quer em troca!

Quer no seu quarto luminosidade zero e o mínimo de ruídos?  As cortinas são ótimas opções. Cortinas com tecidos mais encorpados como veludo, sarja, jeans e linho conseguem atender bem essa exigência. Mas se prefere tecidos mais leves pode usar o forro e/ou o blecaute.

Foto: Pinterest

blecaute é um tecido composto de PVC e consegue bloquear totalmente a luminosidade, principalmente se o comprimento vai até o chão. Podem ser usados nos quartos e também na sala de TV ou home-theater.

Já os forros bloqueiam 70% da luminosidade e são mais maleáveis que o blecaute que têm aparência plástica.

Quer somente deixar seu quarto mais aconchegante e bonito?

Foto: Casa Abril


Dá para combinar a cortina em voal, um tecido sintético mais leve, com telas solares ou outros modelos de persianas como as de fibras naturais de bambu, juta ou palha, mas eles escurecem pouco o ambiente.

Segundo a Cláudia da Universo Decorações, uma desvantagem da persiana é que deve ser usada em ambientes refrigerados, ou em janelas fixas, pois nos dias quentes se as janelas ficarem abertas corre-se o risco de danificá-las pela ação do vento. Além disso, a batida repetitiva da persiana na janela sempre incomoda até os mais tranquilos.

Foto: Delas

Cortina não é só um pedaço de tecido preso em um suporte, para garantir um toque especial pode-se escolher diferentes tipos de pregas. Os tipos mais usados são as pregas fêmea, ilhós e pregas americanas.


Para cada camada de tecido é preciso um trilho. Os trilhos encontrados no mercado podem ter uma, duas ou três guias.  O ideal é que ele seja usado quando houver cortineiro para que fique escondido.

Foto: Ourometal

O varão é a opção quando não há cortineiro ou quando se quer fazer dele parte importante da decoração do ambiente. Há vários modelos no mercado desde os de linhas mais simples até os mais rebuscados.

Foto: Emcortinados

Muitas cortinas são feitas de tecidos naturais e acumulam muito pó em suas fibras, nesse caso para pessoas alérgicas essa opção não é a ideal e escolha deve ser pelas persianas de madeira ou alumínio que não acumulam muito pó e a limpeza pode ser feita somente com um pano úmido e limpo. Um cuidado ao escolher tecidos de fibras naturais é ter a garantia que ele foi pré-encolhido.

Foto: Forma Expressa

A maioria das cortinas pode ser lavada na máquina de casa, essa limpeza deve ser feita com sabão neutro e de preferência não usar amaciante.

Na cozinha dê preferência para as persianas, principalmente as de alumínio e as telas solares ou faça uma cortina com um tecido mais durável que consiga suportar constantes lavagens.

Foto: Local Blinds

As cortinas são vendidas sobre medida, mas para ter uma ideia de como acontece o cálculo do tecido, se faz da seguinte forma:

Imagine uma janela de 2,0m de largura, meça a largura da janela e multiplique por dois:
2,0 x 2 = 4,0m.
Então tire a medida da altura do pé-direito, vamos considerar 2,60m e some 60,0cm, esta medida é suficiente para a confecção da barra e do cabeçote: 2,60m + 0,60m = 3,20m.
Por fim, multiplique os resultados: 4,0m x 3,20m = 12,80 m.
Estamos considerando um tecido com 1,40 m de largura. Caso ele tenha 3,0m de largura, poderá ser usado na horizontal, o que dispensa emendas.
A metragem necessária, nesse caso, cai pela metade, então atenção que você pode economizar.




Não existe uma regra, cortinas e persianas tem vantagens e desvantagens. Cada pessoa vai escolher entre uma e outra ou mesmo escolher as duas de acordo com o que é prioridade.

Como vimos há uma enorme variedade de cores, composição e texturas e uma variedade maior ainda de composições que os ambientes podem ter.

Sendo assim, peça ajuda de um arquiteto de interiores para que ele oriente você compatibilizando a sua necessidade com seu gosto e sua capacidade financeira.

E para isto estamos aqui.

Continue lendo ►

Insônia - O problema pode ser o seu quarto

Elyzia Rodrigues | 6.12.16 | | | | | Seja o 1º a comentar!!
Já passou pela sua cabeça o que pode estar acontecendo com uma pessoa que sofre de insônia em casa e só consegue dormir bem quando está em um quarto de hotel?

Você está com dificuldade para dormir uma boa noite de sono? Também é do tipo que dorme mais e melhor em quarto de hotel do que em sua própria casa?


Foto: Pixabay

Você segue a receita recomendada de dormir todos os dias no mesmo horário, não tomar café duas horas antes de dormir, não beber bebidas alcoólicas, nem fazer exercícios pesados entre outros rituais, e ainda assim o sono não vem?

Hum... Pode ser que tenha problemas no seu quarto...
Como quem vos fala é uma arquiteta várias perguntas surgiram na minha cabeça sobre o que pode acontecer com alguém que passa por uma situação assim:

Como será o quarto dele? Será que é apertado? Será que o colchão é confortável? Será que entra luz pela janela ou pela porta? Será que tem TV? Qual será a cor das paredes? Será que é bem ventilado? Será que tem boa acústica ou nele chega muito barulho externo? Será que ele dorme sozinho ou acompanhado? 

 Foto: Decora gnt

Será que ele usa o quarto para outras atividades como estudar ou trabalhar? Será que ele é organizado ou não? Ufa...

Você já percebeu que os ambientes nos afetam e muitas vezes nós nem percebemos isso claramente. Se o quarto não for adequado pode interferir diretamente no sono. 

Quarto com desorganização, excesso de poeira, barulho, odores, quantidade inadequada de luz e ventilação, ambientes apertados ou largos e grandes demais podem interferir na qualidade do nosso sono sem nos darmos conta.

 Foto: Sua Melhor Decoração
Não importa se você dorme 6, 8 ou 10 horas por noite, independente disso o seu quarto deve garantir o máximo de descanso nesse período e para isso acontecer ele deve ser bem pensado e estruturado.

O que vem á sua cabeça quando pensa em seu quarto? Quais são as sensações que tem? Identificou algum problema, mas não sabe como resolver?

Sabia que a consultoria de arquitetura pode ajudar a resolver isso?



Continue lendo ►

Um segredo que os marceneiros não te contam

Elyzia Rodrigues | 29.11.16 | | | | | Seja o 1º a comentar!!
Todos os profissionais tem um elemento X que faz toda a diferença no resultado final do trabalho mas preferem manter segredo, com a marcenaria não poderia ser diferente...
 
 Foto: Construindo Casa
Arquitetura: Viviane Agostinhos
 
Afinal, o que os marceneiros profissionais fazem e não nos contam?
 
Um exemplo para entender melhor: basta olhar móveis, instrumentos e outros objetos que duram décadas e séculos permanecendo intactos, ou também o desenho dos veios da madeira em um móvel que é praticamente uma obra de arte, aprimorando o design.

Foto: Construbásico
Superfície da madeira vista por um microscópio

Uma boa madeira é receita para um bom resultado final, nenhum segredo aqui. Então qual é o grande segredo? O corte.
 
A madeira é uma matéria prima relativamente barata, de uso fundamental, ótima durabilidade, mas precisamos lembrar que ela se desenvolve ao longo dos anos sob diversas condições climáticas, com localidades variadas, etc.
 
Cada espécie de madeira tem suas peculiaridades e os marceneiros profissionais sabem lidar muito bem com cada uma delas. Porém, as técnicas de corte que mostraremos a seguir seguem um parâmetro que pode ser usado na maioria das espécies, e não somente proporcionar um bom resultado, mas um excelente resultado.
 
 Foto: Casa & Jardim
 Arquitetura; Gabriela Marques 
 
Vamos abordar aqui três tipos de corte, em madeira bruta:
  • Corte plano (Plain-Sawn)
  • Corte em rasgo (Rift-Sawn)
  • Corte em quartos (Quarter-Sawn)
 
Ok, agora, qual a diferença entre eles? Para que servem?
 
Antes de irmos as especificações de cada corte, vamos rapidamente entender um pouco mais sobre a madeira.
 
O ponto X da questão é entender que toda madeira tende a empenar perante à curva dos anéis formados no cerne. Portanto, quanto mais irregularidades e curvas estiverem presentes em uma peça, menor sua durabilidade, solidez e resistência. Simples questão física.


A foto acima ilustra a formação padrão dos troncos, obviamente, de onde a madeira é extraída. Entendendo que ela se forma em expansão de dentro pra fora em formato cilíndrico irregular, fica bem mais fácil visualizar as serventias e texturas dos cortes.
 
CORTE PLANO
 
É o tipo mais comum e requisitado em projetos (e também o mais barato). Este tipo de corte se estende de uma extremidade a outra do tronco, em cortes retos (ignorando as curvas da formação natural da madeira).
 
A madeira é uma matéria prima irregular e este tipo de corte deixa explícita esta irregularidade, o que torna visualmente bem atraente e industrialmente bem lucrativo, é o corte com menos desperdício possível. 
 
 
O corte plano é o que causa mais efeitos visuais possíveis, com uma textura muito atraente acaba sendo muito utilizado em portas e móveis.
 
CORTE EM RASGO
 
O corte em rasgo é o tipo de corte mais preciso quando se trata de captar proporcionalmente os cernes, tendo a menor variação entres os outros tipos de cortes (30º/60º). Com precisão cirúrgica da extremidade ao centro, fica claro que não é possível fazer muito aproveitamento da madeira.
 
Para compensar o desperdício, é o tipo de corte que contem menos irregularidades, menos efeitos visuais, porém a maior solidez possível na peça cortada e textura bem homogênea, o que a torna extremamente interessante para móveis onde a linearidade da peça é requisitada.
 
 
A ferramenta recomendada para este tipo de corte é a serra de mesa, é necessário muito cuidado ao chegar ao fim do corte, nunca utilizando as mãos nesta área.
 
CORTE EM QUADROS
 
O corte em quartos segue segmento a segmento da formação natural do tronco. Fica nítido que a intenção do corte é se estender sempre da medula do tronco à extremidade e alternado, o que torna este corte mais complexo.
 
A madeira cortada em quartos custa praticamente o dobro em relação á madeira com corte plano, por proporcionar mais durabilidade onde for aplicada. Como mostram as figuras abaixo:
 
 
Diferentemente do corte em rasgo, que busca cruzar o corte através dos cernes de forma regular possui uma variação um pouco maior dos cernes (60º/90º).
 
Este tipo de corte é muito querido em instrumentos musicais, mais especificamente em braços de guitarra, pois carrega as vibrações das cordas com muito mais eficácia se comparada ao corte plano, justamente por utilizar todo o cerne da madeira, sendo mais sólida e regular.
 
Resumindo:
  • Corte plano: visualmente muito atraente, porém menor durabilidade.
  • Corte em rasgo: visualmente sóbrio, linear, com forte durabilidade e solidez.
  • Corte em quartos: visualmente sóbrio, irregularidades causadas pelos raios formados naturalmente pela madeira. Forte durabilidade e transmissão de vibração.

Foto: Casa & Jardim
Arquitetura: Gabriela Marques
 
Espero que com essas informações consiga conversar melhor com o seu marceneiro alinhando o seu desejo e as respectivas possibilidades técnicas da marcenaria.
 
Ah, vale lembrar: cortar madeira é perigoso, sempre consulte um marceneiro profissional antes de se aventurar.
Continue lendo ►

Mesa de centro ou um pedaço do oceano na sala de estar?

Elyzia Rodrigues | 22.11.16 | | | | | Seja o 1º a comentar!!
Já observou que todo mundo tem a lembrança de um móvel, de um objeto ou de uma paisagem que carrega em si histórias e lembranças da própria vida, ou mesmo da vida de várias gerações da sua família? 

Foto: La Table
Design: Alexandre Chapelin - Lagoon
Esse móvel, objeto ou imagem mesmo que não exista mais ou que não os tenhamos em nossa casa estão sempre na nossa memória, pode ser a lembrança do piso de tábua corrida da casa dos avós, da ferramenta usada pelo pai, da paisagem de uma inesquecível temporada de férias com os primos...

Em casos assim é preciso cuidar para que este móvel, objeto ou paisagem esteja sempre vivo ou trazer para mais perto de si de forma mais concreta, para que continue encantando, acolhendo e confortando a você e as pessoas ao seu redor.

Foto: La Table
Design: Alexandre Chapelin - DB
Foi a partir da observação que seu entorno não tinha o encanto que ele julgava necessário que o designer francês Alexandre Chapelin concebeu o conceito “La Table” que consiste em criar uma peça simples de mobiliário como um mesa de centro e transformá-la criativamente em uma declaração artística única e que seja um verdadeiro reflexo de seu dono.

Para conseguir isso, "La Table" deve ter uma alma e uma história para contar. Tem que ser contemporânea por sua técnica de fabricação e, claro, espetacular.

“No que diz respeito à alma e à história, é bastante simples, coletamos pedaços de madeira, ferramentas e motores antigos, ligas aqui e ali e outros materiais reciclados. Esses itens devem ter um apelo vibrante e esteticamente agradável aos olhos e a história do cliente. A fim de obter uma peça moderna que é original e surpreendente, incorporamos a esses objetos históricos, itens que são mais atraentes aos olhos, como a resina e os transformamos em uma única peça sob medida. Esse conceito é muito interessante porque através dele se pode incluir qualquer coisa que venha em nossa mente.”

 Foto: Grafikci
A linha de mesas de centroLagoon” é uma celebração da beleza natural dos oceanos do planeta. As mesas combinam pedra natural com resina, criando um contraste impressionante de superfícies rochosas ao lado da vibrante resina cor de água.

As mesas têm uma aparência semelhante à vida, assemelhando-se ao encontro do oceano com planaltos, falésias e outras formações rochosas acima e abaixo do mar.
As próprias mesas foram concebidas tendo como modelos a ilha de Saint Martin situada nas Índias Ocidentais francesas.

Foto: Grafikci
"A partir de um bloco de pedra natural eu incluí a resina, para criar um bloco compacto para se ter a sensação de que uma parte do oceano está em sua sala de estar". Chapelin explica: "A pedra natural usada, neste caso foi o mármore travertino que se casa perfeitamente com a resina que representa o oceano."

Não só esta mesa é uma peça requintada de decoração, mas também é uma vitrine de oceanografia!

Qual objeto, mobiliário ou paisagem é inesquecível para você?
Como você tem cuidado dele?

Continue lendo ►

Cerâmica extrudada - Econômica e fácil de assentar

Elyzia Rodrigues | 16.11.16 | | | | | 2 Comentários
Não é nenhuma novidade que em se tratando de revestimentos há uma variedade enorme de materiais, só aqui na página já falamos de pastilhas, cimento queimado, ecogranito, piso cimentício, entre outros.

Fica cada vez mais difícil escolher um revestimento sem ficar em dúvida entre algumas alternativas que também nos atendam adequadamente quanto ao custo e características como durabilidade e resistência.

Foto: A&C Web
As cerâmicas são inegavelmente um dos revestimentos mais adequados para especificar para o seu projeto de arquitetura, pois são peças que apresentam grande versatilidade, resistência, durabilidade e manutenção mínima.

Há no mercado diferentes tipos de cerâmica que variam entre si de acordo com forma de fabricação, corte, queima ou material empregado.

Foto: Gail

A cerâmica extrudada é uma cerâmica feita por meio de uma massa composta de argila e diversas combinações e teores de caulins, quartzito, calcita, talco, dolomita, filito, feldspato, mais água.

Essa mistura alimenta a máquina extrusora por meio de pressão. A massa é compactada em uma camada a vácuo que reduz a presença de ar entre as partículas, de onde em forma de fita contínua é cortada conforme o tamanho especificado, ainda antes da queima.

 Foto: Rede Sagrado
Colégio Sagrado Coração de Maria

Depois, em um processo de prensagem, a peça é levada a queima em temperatura acima de 1200ºC.

Este processo de extrusão garante ás peças características como resistência ao atrito, baixa absorção de água, entre 0,5% e 0,3%, uniformidade de cor, de corte e esquadro das peças.

A cerâmica extrudada também conhecida como grês é um revestimento que apresenta maior resistência ao impacto, á produtos químicos, á manchas e contaminação por bactérias.



Apresenta ainda facilidade de limpeza e manutenção, durabilidade, alto desempenho térmico, suportando variações bruscas de temperatura e são antiderrapantes.

Como as medidas da cerâmica extrudada é rigorosamente controlada e calibrada, podem ser assentadas com juntas menores entre 4,0 mm a 6,0 mm, garantindo um alinhamento perfeito entre as peças, maior produtividade no assentamento e redução do uso de rejunte, com melhor relação custo/benefício.

Em peças prensadas os rejuntes variam entre 0,8mm e 10mm.

Foto: Gail 
Diferenças de características entre cerâmica extrudada e cerâmica prensada

A cerâmica extrudada por suportar as mais severas condições pode ser especificada para diferentes projetos, tanto os residenciais como piso externo e interno, áreas de lazer e beira de piscinas, como industriais, e também, hospitalares e comerciais, além de piso tátil para passeios públicos e fachadas ventiladas.

As dimensões e espessura da cerâmica extrudada varia de linha para linha e também de fornecedor para fornecedor.

A cerâmica extrudada apresenta garras cônicas que permitem maior fixação ao substrato, aderência química e contato, tornando seu assentamento mais seguro.

Foto: Dica da Arquiteta

O assentamento da cerâmica extrudada não tem grandes segredos.
De acordo com a arquiteta Marta Aroucha da Marta Aroucha – Arquitetura e Representação representante entre outras marcas, da cerâmica extrudada NBK Hunter Douglas, o assentamento não necessita de mão de obra especializada, mas é preciso atender ás normas sobre o assunto (NBR 13573, NBR13574 e NBR13575) e sempre atender á dupla colagem e ás instruções de manipulação e uso dos fornecedores de argamassa e rejunte.

Para um assentamento adequado das peças leia atentamente os catálogos de execução dos fabricantes.

Foto: Hunter Douglas

Com o tempo cada vez mais precioso que temos perdê-lo com limpeza de revestimentos do piso ou parede definitivamente não é uma boa escolha.

A manutenção da cerâmica extrudada também é simples, mas é preciso cuidado com materiais de limpeza á base de ácido clorídrico/muriático, pois atacam e danificam o rejuntamento, a manutenção ideal é feita somente com água e detergente neutro. Usar esponja macia na limpeza para evitar riscos.

Esse revestimento é ou não é uma alternativa interessante para usar em seu projeto?

Continue lendo ►