Dica da Arquiteta

Dica da Arquiteta

Como aproveitar áreas externas nos dias frios

Elyzia Rodrigues | 21.3.17 | | | | | | Seja o 1º a comentar!!
O outono chegou e daqui para frente as temperaturas vão ficar mais baixas...
Período em que todos desejam ficar mais tempo dentro de casa.

Foto: Pinterest

Que tal criarmos uma forma diferente de aproveitar as áreas externas?
Imagine apreciar as noites de lua cheia, tomando um bom vinho com sua família e/ou amigos em volta de uma lareira externa.

Já falamos sobre tipos de lareiras, mas hoje o assunto são as lareiras externas.

Embora de um modo geral o Brasil seja um país com poucos dias frios, lugares de maior altitude, com muita vegetação e presença de água costumam ser mais frios mesmo fora desse período, então são em lugares assim que as lareiras externas podem ser mais aproveitadas ao longo do ano.

Foto: Lar Doce Lar

Em países do hemisfério norte esses espaços são chamados de fire pits ou fire place e é muito comum vê-los em filmes.

A montagem de uma lareira na área externa pode ser bem simples, porém, o arquiteto pode ajudá-lo a pensar qual a lareira cabe melhor no espaço que tem disponível e a melhor maneira de coordenar modelo com como gostaria de usá-lo.

Pode-se aproveitar um pequeno cantinho do jardim, ou criar uma lareira de pedra aproveitando alguma depressão do terreno ou mesmo uma parte da área da piscina que é subutilizada em dias mais frios.

Foto: Casa & Jardim
Arquitetura: Paula Galbi

Você prefere criar um clima mais intimista ou um espaço para muitas pessoas?
Será somente para aquecer quem estiver em volta ou também terá a função de assar pizza e aquecer fondue?

A lareira será o centro do ambiente ou apenas coadjuvante?

Como visto no post sobre lareirasparte I e parte II desta página existem diferentes tipos de lareiras no mercado, elas podem ser convencionais feitas de tijolos refratários ou pedra, pré-fabricadas ou metálicas, esses modelos exigem a instalação de chaminés e do uso de lenha.

Foto: Pinterest

Esses modelos de lareira precisam de um espaço para o depósito de lenha e não há como controlar a temperatura produzida através de termostato. Também precisam de telas de proteção contra fagulhas.

Também temos as lareiras á gás, as elétricas ou as ecológicas, modelos que não necessitam de lenha na produção do calor, não produzem calor nem cheiro, com instalação e manutenção muito mais simples e rápida.

A lareira á gás necessita de instalação, elétrica e gás, ela funciona como um fogão com acendimento automático com dispositivo de segurança e controle das chamas. Quando instaladas em nichos estes devem ser em tijolos refratários.

Foto: Bacana de Viver

As lareiras elétricas funcionam através do aquecimento de uma resistência ou ventoinha, as chamas são imagens virtuais em 3D e as lareiras ecológicas através da utilização do álcool tradicional.

A grande vantagem desses modelos é que podem ser instaladas em nicho de alvenaria, com tijolos comuns, em nichos de gesso ou no interior de móveis fixos ou com rodízios. São modelos que possuem termostato e não precisam de tela de proteção contra fagulhas.

Foto: Pinterest

Todos os modelos de lareiras podem ser usados internamente externamente.

Uma observação importante é que por se tratar de área externa, o mobiliário, as luminárias e adornos devem ser pensados com cuidado pois estarão sujeitos ás oscilações climáticas todo o tempo.

Foto: Casa & Jardim
Arquitetura: Alexandre Furcolin

Mas se tiver dúvidas veja a postagem sobre mobiliários externos aqui.

Nas próximas noites frias de céu estrelado, com ou sem lua cheia, munido de uma manta bem felpuda e uma taça de vinho... Conta pra gente como foi a sua experiência!

Se quiser ser o primeiro a receber as postagens que a gente publica, cadastre o seu e-mail no botão “Acompanhe”.

Fonte:
Doce Obra
Casa Très Chic
Casa & Jardim


Continue lendo ►

Você sabe escolher a esquadria ideal para seu projeto?

Elyzia Rodrigues | 14.3.17 | | | | | | Seja o 1º a comentar!!
Esquadria é o nome dado a portas, janelas, portões, divisórias e demais vãos de abertura de uma construção. São elementos que controlam a entrada de luz e ventilação em um ambiente, além de funcionarem como detalhe arquitetônico e dispositivo de segurança.

Foto: Flickriver - Pedro Kok's
 Edifício Loureira - SP - 1946
Arquitetura: Vilanova Artigas

As esquadrias correspondem entre 10 e 15% do custo total da obra, ou seja, a sua escolha deve ser feita com cuidado, então mesmo que a sua preferência seja por um tipo de janela específico, só um arquiteto conseguirá integrar estética, desempenho e custo ao projeto  como um todo.

As esquadrias podem ser fornecidas prontas com medidas e modelos pré-definidos ou sob medida, onde os modelos e as dimensões serão conforme a necessidade ou desejo do cliente.

Diante disso, a pergunta que se faz é:

Quais são as vantagens e desvantagens de cada material e como fazer uma boa escolha levando em consideração diferentes itens como manutenção, durabilidade, estanqueidade, preço e beleza?
 

ESQUADRIAS DE MADEIRA
 
A madeira é um dos mais antigos materiais usados como vedação de vãos. Ela possibilita um acabamento único, pois pode ser feito em diferentes tipos de madeira, como grapuia, itaúba, jatobá, feijó, entre outras. Garante rusticidade e sensação de aconchego aos ambientes.

Foto: Home Caprice

Vantagens:
- Funciona bem como isolante termo-acústico.
- Possibilitam uma infinidade de tipologias e dimensões podendo ser totalmente personalizada.
- Durabilidade, quando mais dura a madeira maior a durabilidade das esquadrias.
- Facilidade de instalação de grades e telas mosquiteiros.
- Pode ser com ou sem vidro e com ou sem veneziana.

Desvantagens:
- Manutenção constante, deve ocorrer pelo menos entre 6 e 24 meses ou dependendo da necessidade. As esquadrias de madeira pintadas com vernizes incolores precisam de mais manutenção do que as esquadrias que são pintadas com tinta esmalte.
- Estão mais sujeitas ás variações de temperatura e umidade.
- Sua estanqueidade deixa a desejar, ela será maior ou menor dependendo da tipologia escolhida.
- Preço alto, principalmente em modelos personificados.
 

ESQUADRIAS DE FERRO
 
As esquadrias de ferro são muito comuns no Brasil, principalmente as esquadrias feitas de ferro batido. O ferro é bastante utilizado na confecção de grades e portões de garagens, que são feitos em barras redondas ou chatas, e também em tubos e telas.

Foto: Decorando a Casa

Vantagens:
- Quando confeccionadas com uma boa drenagem das águas de chuva e de lavagem apresentam grande durabilidade.
- Variedade de tipologias, com ou sem grades.
- Possibilidade de modelos sob medida.
- Preço baixo.

Desvantagens:
- São fornecidas sem o vidro que deve ser comprado separadamente e instalados á esquadria no local da obra.
- Estanqueidade também deixa muito á desejar, principalmente quando a massa de fixação dos vidros estão ressecadas.
- Manutenção constante, tanto da pintura quanto da massa de fixação.
- Baixa resistência á corrosão.
- Devem ser evitadas em construções de áreas litorâneas.

ESQUADRIAS DE AÇO
 
As esquadrias de aço mais comuns no mercado recebem durante a fabricação uma camada de pintura eletroforética para aumentar a sua durabilidade e resistência á corrosão. 

Foto: Serralheria RGA

Vantagens:
- Elevada resistência á corrosão.
- Variedade de tipologias.
- São vendidas nas cores: branca e preta
- Preço baixo.

Desvantagens:
- Alguns modelos são fornecidos sem o vidro.
- Manutenção constante.
- Estanqueidade média.

ESQUADRIAS DE ALUMÍNIO

As esquadrias de alumínio são as mais utilizadas nas construções de edifícios. São ideais para construções mais modernas.

Foto: Acex Design
Palácio Iguaçu - Curitiba - PA 

Vantagens:
- São mais leves que as esquadrias de ferro e madeira.
- Variedade de tipologias.
- Variedade de cores: alumínio natural, branco e preto.
- Estanqueidade muito boa.
- Ideais para construções em áreas litorâneas pois não enferruja.
- Grande durabilidade.
- São fornecidas com o vidro já instalado.
- Melhor custo-benefício.

Desvantagens:
- Grande condutor de calor.
- Dificuldade de personalizar um modelo, a não ser que seja contratada a fabricação de um grande volume de unidades.
- Esquadrias na cor marrom, só são vantajosas se a compra for em grandes volumes.

ESQUADRIAS DE PVC

São esquadrias relativamente novas no mercado, são esquadrias feitas em PVC com alma de aço, embora feita em perfis mais robustos que as esquadrias de alumínio são bem mais leves. Já são sonho de consumo de muita gente por seu visual mais limpo e moderno.

Foto: Complac Pisos

É preciso ficar atento ao tipo de PVC utilizado na fabricação, pois somente esquadrias fabricadas com o U-PVC são resistentes ao amarelamento da peça ao longo do tempo.

Vantagens:
- São atérmicas, não conduzem o calor para o interior do ambiente.
- Melhor isolamento acústico entre todos as tipologias citadas.
- Excelente estanqueidade, pois são fabricadas sem junções.
- Ideais para construções em áreas litorâneas pois não enferruja. 
- São duráveis, versáteis e fácil de limpar.
- Manutenção baixa.

Desvantagens:
- Dificuldade de personalizar um modelo ou cor, a não ser que seja contrada a fabricação de um grande volume de unidades.
- Preço alto.

ESQUADRIAS DE VIDRO

São esquadrias usadas em construções mais modernas formando grandes panos transparentes. Seu isolamento acústico é variável conforme a espessura do vidro ou a quantidade de camadas de vidro utilizadas na instalação.

Foto: Caramel Architects

Vantagens:
- Alta durabilidade.
- Baixa manutenção.
- Facilidade de limpeza.

Desvantagens:
- Preço alto.
- Condutor de calor para o ambiente.
- Baixa estanqueidade, desde que instalada fechando vãos corretamente.
- Instalação com mão-de-obra especializada.
 
Se quiser ser o primeiro a receber as postagens que a gente publica, cadastre o seu e-mail no botão “Acompanhe”.
Continue lendo ►

Feliz Dia Das Mulheres!

Elyzia Rodrigues | 8.3.17 | | | Seja o 1º a comentar!!
Que toda a nossa força, coragem e luz floresça hoje e sempre!
Parabéns a todas as mulheres!



Continue lendo ►

Tapetes - Pra deitar, rolar e decorar!

Elyzia Rodrigues | 7.3.17 | | | | | Seja o 1º a comentar!!
Não importa o tamanho do ambiente, o tapete é uma peça que com toda certeza vai dar mais charme, elegância e aconchego a ele.

Foto: Transformando sua Casa

Independente do tipo de piso que queira cobrir há uma infinidade de materiais, estampas, cores, texturas, formas e tamanhos. 
A escolha é sempre muito particular!

Mas como tantas variedades de tapetes, como escolher aquele que seja o mais adequado?
Vamos lá!

Foto: Pinterest

Os tapetes servem tanto para delimitar diferentes ambientes como melhorar o conforto acústico, principalmente os de maior espessura. 

Há no mercado tapetes fabricados em medidas padrão 1,50x2,00m, 2,0x2,50m ou 2,0x3,0m, mas também podemos comprar sobre medida. O importante é que ele seja proporcional ao ambiente em que vai ficar.  

Foto: Casa Abril

Quanto aos materiais encontrados no mercado podem ser tanto de fibras naturais quanto fibras sintéticas.  

Lã: A lã é o material mais usado na fabricação de tapetes e a principal matéria-prima dos tapetes de pêlo de alta qualidade. É bastante resistente, é a qualidade da lã que determina a resistência dos tapetes a desgaste e danos. Os tapetes de lã tem maior durabilidade que os sintéticos e naturalmente resistem à formação de ácaros, que podem provocar alergias.

Foto: Pinterest

Algodão: As tapeçarias usam o algodão e a lã na fabricação de muitos tapetes. Os tapetes de lã com algodão são macios e normalmente tem um valor menor que os tapetes feitos somente com as fibras de lã. Porém, o algodão tende a se desgastar mais rapidamente do que a lã.

Sisal: Feito a partir da fibra da planta Agave sisalana é um tapete extremamente sensível à umidade, pois mancha com facilidade em contato com líquidos, porém, é ótimo para quem sobre com alergias, pois, basta ser aspirado para rapidamente ficar livre do pó.  É um tapete com um bom custo-benefício.  

Foto: Pinterest

Couro: O couro sempre foi muito utilizado nos tapetes desde os tempos antigos e reapareceu na decoração dos ambientes contemporâneos. Com textura macia e aconchegante, o material permite diversos usos e acabamentos, pode ser encontrado no modelo formado por quadrados costurados ou no formato original do corpo do animal. Necessitam de lavagem e secagem com produtos especiais.



Foto: Pinterest

Polipropileno: fibra sintética resistente às manchas e fácil de limpar.

Nylon:  Embora seja sintética, a fibra de nylon é a melhor, pois é resistente ao trânsito, aos insetos, à umidade e quase a qualquer tipo de manchas, além de ser muito fácil de limpar.

Foto: Pinterest

Quanto ás estampas os tapetes podem ser de cores neutras ou não. As cores neutras são ideais para ambientes pequenos, pois proporcionam uma impressão de amplitude, diferente das cores escuras como os azuis e verdes escuros, preto, marrom e cinza grafite. 

Também encontramos estampas geométricas, listradas ou floridas.

Foto: Pinterest

Os tapetes de lã são indicados para estilos mais casuais. Os tapetes persas ficam melhores em ambientes mais formais e elegantes. 

A forma de fabricação dos tapetes dá origem a diferentes acabamentos: 

Foto: Pinterest

Buclê (ou Boucle): É um tapete de aspecto compacto, tecido com grossos fios de lã ou algodão, que formam anéis com os fios da própria trama, formando um pêlo largo enrolado, adequado para todos os tipos de ambientes, principalmente, os de mais modernos. É produzido na proporção de 80% lã e 20% algodão. São peças muito confortáveis.

Alto Trâfego: São utilizados em escritórios e ambientes comerciais. São tapetes de fibras de nylon que formam pêlos curtos e fáceis de limpar. É o melhor modelo para quem tem bichos de estimação em casa.

Foto: Pinterest

Pêlo Cortado: Similar ao buclê, mas com os anéis da trama cortados. É muito elegante e confortável.

Patchwork: Geralmente de couro, são ideais para casas mais rústicas ou ambientes que misturam estilos. Podem ser colocados embaixo de um sofá ou da mesa de centro.

Foto: Pinterest

Tapetes com Relevo: São tapetes confeccionados apenas com desenhos formados pelas diferenças de altura do pelo geralmente em uma única cor de fios. 

Os tapetes podem ser quadrados, redondos, retangulares ou como no caso dos tapetes de couro de animais de forma irregular. 


Foto: Pinterest

Antes de comprar o tapete verifique como ela fica no ambiente, nas salas de jantar o ideal é que ele tenha tamanho suficiente para acomodar a cadeira com uma pessoa sentada com sobra pois sem essa folga a cadeira se enrosca com o tapete. 

Tapetes de crochê, de retalhos de tecido colorido e até de calça jeans.

Continue lendo ►

Hidrocultura ou Hidroponia - Opção para quem quer plantas fáceis de cuidar

Elyzia Rodrigues | 21.2.17 | | | | | | Seja o 1º a comentar!!
Você gostaria de ter plantas e ervas em casa, mas toda tentativa de cultivar acaba frustrada, pois todas morrem por excesso ou falta de alguma coisa que você nunca consegue descobrir? 

Foto: Pinterest

Calma! Há uma maneira de cultivar certas ervas que proporcionam um delicioso sabor á comida e um cheio super agradável na sua cozinha e também plantas que embelezam e dão graça aos ambientes sem precisar mexer com terra ou saber a quantidade adequada de rega que elas precisam. 

Algumas espécies de plantas se adaptam bem ao cultivo somente em água, em um sistema chamado de hidrocultura ou hidroponia.

O princípio básico da hidrocultura ou hidroponia é muito simples e bem conhecido.

Lembram-se da aula de ciências em que cultivávamos batata-doce num recipiente com água e esperávamos pelo desenvolvimento das raízes e folhagem?

Foto: Surpresaria

Pois foi a partir deste princípio simples que se desenvolveu e se aperfeiçoou o sistema de hidrocultura ou hidroponia, que passou a utilizar além da água, fertilizantes, argila expandida ou pedregulhos e recipientes especialmente desenvolvidos para este fim.

Este método de cultivo é um sistema bastante limpo e simples de ser conduzido, além disso não dá muito trabalho com transplantes, as plantas quando adequadas a este sistema desenvolvem-se bem e livres de problemas com doenças ou insetos provenientes da terra.

Ou seja, para quem tem pouco tempo para cuidar das plantas é um modelo perfeito!

Para começar o cultivo através da hidroponia ou hidrocultura vamos precisar de:

1-Recipiente ou vaso em material impermeável

Os recipientes de vidro são os mais indicados, além de bonitos, eles permitem que se possa observar o desenvolvimento das raízes. Recipientes em metal ou cobre, principalmente os não tratados podem reagir com os elementos químicos contidos nos fertilizantes e, ainda pior, podem enferrujar. Evite-os!

Foto: Alibaba

2- Agregado para firmar as raízes. 

É possível usar argila expandida, pedrinhas ou pedregulhos. A argila expandida é especialmente indicada para a hidrocultura, pois suas características facilitam a distribuição de água por todo o recipiente e ainda favorecem a circulação de ar.

3- Fertilizante

Pode-se utilizar um fertilizante líquido genérico (NPK 10-10-10), adicionado à água, porém, corre-se o risco de haver cristalização dos nutrientes não absorvidos, que acabam se concentrando nas raízes. 

O resultado é que se torna necessária uma lavagem periódica das raízes, geralmente a cada 3 meses, para que a planta não seja prejudicada. É preferível optar pelo uso de uma solução fertilizante com fórmula especialmente desenvolvida para a hidrocultura, que pode ser encontrada nas lojas especializadas em jardinagem. 

Foto: Alibaba

Os recipientes de boca estreita acomodam melhor as estacas e as mantêm retas. Porém, evite vidros de bico apertados demais, pois as raízes precisam respirar.

Ao acomodar as plantas nos vidros todas as folhas na parte inferior da estaca devem ser removidas, pois em contato com a água elas apodrecem. 

A água do vidro deve ser trocada uma vez por semana. A medida que  as raízes começarem a crescer, por volta de 2 a 6 semanas, você não precisa mudar a água. 

CUIDADOS

O principal cuidado é manter o nível correto da solução (água + fertilizante). 

Foto: Pinterest

Existem no mercado vasos especialmente desenvolvidos para este fim, com um marcador embutido para indicar o nível mínimo e máximo. 

O marcador também pode ser comprado avulso e adaptado a outros vasos.

Outra opção é fazer em casa mesmo a marcação na lateral do vaso, baseando-se no fato de que cerca de 1/3 do agregado utilizado (argila expandida ou outros) deve ficar submerso.

Observar, periodicamente, se a planta está dando sinais de carência de nutrientes (desenvolvimento lento e insatisfatório, por exemplo). 

Foto: Baú de Ideias

Caso isso ocorra, é preciso corrigir o problema com a adição de mais fertilizante. 

Mudar a planta de vaso sempre que as raízes se mostrarem muito volumosas ou compactadas, tornando o recipiente incompatível com o seu tamanho.

As ervas que melhor se adaptam á hidrocultura ou hidroponia são:

Alecrim, Sálvia, Hortelã-pimenta, Estragão, Manjericão, Hortelã-verde, Orégão, Bálsamo de limão e Stevia.

Não gosta de ervas? Então, que tal fazer arranjos com outros tipos de plantas

Foto: Imgrum

O bambu-da-sorte se adapta muito bem a esse tipo de sistema de cultivo, assim como a espada-de-São Jorge, o antúrio, a jibóia, o lírio-da-paz, papiro, palmeiras, samambaias, dracena, hera e cróton. 

E aí? Se animou agora a tentar mais uma vez? 
Conta pra gente como foi a aventura!

Se quiser ser o primeiro a receber as postagens que a gente publica, cadastre o seu e-mail no botão “Acompanhe”.

Continue lendo ►

Qual a diferença entre piso líquido e porcelanato líquido?

Elyzia Rodrigues | 15.2.17 | | | | | | Seja o 1º a comentar!!
Tenho recebido muitas perguntas sobre o que é o porcelanato líquido, então fui procurar saber que tipo de produto é esse e a razão de os fornecedores estarem dando a ele essa denominação. Achei importante esclarecer esse assunto para que ninguém compre gato por lebre. 

A primeira coisa que precisamos saber é a diferença entre o porcelanato e o piso líquido.

Foto: Cerqueira Gonçalves

De acordo com a NBR 13818, o porcelanato é um material cerâmico, com absorção de água menor ou igual a 0,5%, é um produto obtido a partir da mistura entre a argila e o feldspato que formam uma massa submetida a pressões de compactação acima da compactação utilizada nos materiais cerâmicos convencionais além de receber um tratamento térmico. 

Esse processo de fabricação resulta em peças de grandes dimensões com características mais homogêneas, mais densas, vitrificadas, menos porosas e com maior resistência do que as demais cerâmicas.

Foto: Portobello

Pode ter diferentes tipos de acabamento: brilhante, acetinado, fosco ou rústico. O acabamento brilhante dessas peças é conseguido através de polimento feito com maquinário específico.

O piso líquido é um piso monolítico, ou seja, sem recortes e sem juntas que recebe o nome de "porcelanato líquido" unicamente por possuir um aspecto brilhante que lembra o porcelanato, mas não é um porcelanato. 

Para que não haja mais dúvidas vamos tratar o "porcelanato líquido" como Piso líquido.

Foto: Masterplate

O piso líquido é feito de resina que pode ser resina Epóxi, resina de uretano ou resina poliuretano. As três possuem características semelhantes, porém se diferenciam em alguns pontos.

Abaixo você confere alguns:

– O piso líquido de resina poliuretano consegue acompanhar melhor as mudanças climáticas, evitando trincas, rachaduras ou fissuras precoces. Isso por conta das dilatações e retrações naturais ocasionadas pela variação de temperatura. Dessa forma, possui boa flexibilidade mecânica. Tem também boa resistência química, aos raios Ultra Violetas (UV) e à abrasão (PU alifático). Ou seja, ela é mais indicada em ambientes externos, os quais ficam expostos às intempéries naturais (chuva, vento etc.);

Foto: Doce Obra

– O piso líquido de resina Epóxi possui ótimo acabamento, além de impermeabilizar bem a superfície impedindo infiltrações de contaminantes, como micro-organismos, e ser de fácil higienização. O fato de possuir alto grau de impermeabilização a torna suscetível à umidade ascendente, embora a torne mais higiênica. São mais indicadas em ambientes internos, com menor exposição aos raios Ultra Violetas (UV), pois podem amarelar e calcinar se expostas por períodos longos aos raios solares.

O piso líquido de resina Epóxi tem custo menor, é de fácil manipulação, é pouco tóxica, aguenta alto tráfego e nas formulações sólidas (100%) possui odor baixo. É a resina mais utilizada no mercado, além de possuir muitas possibilidades de cores, o que facilita na decoração;

Foto: Decoresalteado 
Arquiteura: Francisco Spaldoni

– Em relação ao Epóxi, o piso autonivelante uretano endurece, ou seca, mais rápido. É mais fosco e possui maior resistência física e química. Sua estética é mais rústica, há limitação de cores, alta reatividade da resina e menor tempo de armazenamento. Em relação à exposição a raios UV, a resina uretano é semelhante à Epóxi. Também suporta grandes ciclos térmicos, e sua permeabilidade é suficiente para aguentar umidade ascendente.

Pode inclusive ser lavado com vapor, além de ser aplicado em bases com umidade próximas a 12%. Aguenta grandes variações de temperatura, inclusive negativas. É um piso indicado para áreas abertas e externas (mas com proteção contra os raios UV). Por ser autoimprimante, não precisa de selador.

Há ainda as resinas Poliúreias, que reagem em segundos e requerem equipamentos especiais de aplicação, e as resinas Metil Metacrilato. Essas possuem alto nível de reatividade, chegando a poucos minutos, e inclusive conseguem reagir em temperaturas abaixo de zero. Porém, possuem cheiro forte, amarelam se expostas ao sol e geralmente são mais caras.

Foto: Pinterest

CARACTERÍSTICAS GERAIS DO PISO LÍQUIDO

Como visto acima, cada resina usada para se fazer o piso líquido tem seus próprios atributos. Desse modo, não existe exatamente uma melhor, mas sim a resina mais indicada para determinados ambientes, condições climáticas e até mesmo decorações. Contudo, elas têm em comum algumas características em maior ou menor grau, mas que tornam o piso líquido uma opção destacada no mercado.

Entre elas, temos:

– Opções de revestimento liso ou antiderrapante. Há possibilidade de se incluir materiais como areia no tipo liso para torná-lo menos escorregadio;

– Inexistência de juntas de dilatação;

– Após pronto, ele pode apresentar de 2mm a 5mm ou mais de espessura de acordo com o tipo escolhido e a forma da aplicação;

Foto: Decoresalteado
Arquitetura: Hellen Pacheco

– Pode ser brilhante ou fosco;

– Tende a ser um piso auto-nivelante, que se adapta às imperfeições da base onde é aplicado e as corrige. Isso se deve por sua característica líquida. Contudo, o tipo de resina poliuretano necessita um bom nivelamento da base antes;

– O piso líquido monolítico funciona como uma espécie de capa protetora;

– Pode ser monolítico autonivelante, multilayer ou espatulado (argamassado).

Há ainda a pintura Epóxi;

– A resina é vendida de forma líquida, um pouco pastosa.


CARACTERÍSTICAS DO PISO LÍQUIDO CONFORME A APLICAÇÃO

Como mencionado antes, o piso líquido pode ser:

Foto: Clasf Brasil

– Multilayer: Um tipo de piso feito com múltiplas camadas de piso líquido (resina epóxi ou poliuretano). Nele pode-se aspergir quartzo na resina ainda em sua forma líquida. Basicamente aplica-se a camada de resina (com o quartzo em seguida), espera-se ela secar, aplica-se novamente outra camada de resina e assim por diante. Isso possibilita a correção de deficiências da base, do substrato. Quanto mais camadas, mais resistente e espessa ela fica, porém é preciso mais tempo para o piso ficar pronto;

– Espatulado (argamassado): É feita uma argamassa tendo com base resina mais quartzo, sendo misturado por meio de equipamento como misturadora. É um tipo de piso ideal para locais onde é preciso maior resistência à abrasão e também mecânica. Onde há tráfego contínuo e pesado, como em indústrias. Pode ser usado para corrigir superfícies degradadas.

– Autonivelante: Possuem um bom acabamento estético. Podem ter de 1mm a 5 mm ou mais. A resina é aplicada na forma líquida e pura sobre o piso, nivelando a superfície conforme a ação da gravidade. Ela ainda pode ser aplicada em cima das opções multilayer ou espatulada, servindo como acabamento.

Foto: Pinterest

– Pintura: A pintura Epóxi é utilizada como acabamento, servindo mais para aplicação em pisos monolíticos que possuem baixa espessura. Ou para fins estéticos, como em pisos com ilustrações, padrões ou cores distintas. Também é empregada para dar maior brilho ao chão, podendo se obter um efeito espelhado. Há ainda a versão semibrilho e fosca.

Dependendo do tipo, a pintura pode proteger contra raios Ultra Violetas (UV). Possui grande nível de aderência em pisos de concreto, cimentícios etc. Também impermeabiliza o chão, sendo prático a sua utilização em cozinhas, áreas de serviço, banheiros etc. As pinturas poliuretano e uretanos possuem funções semelhantes.

AS PRINCIPAIS VANTAGENS DO PISO LÍQUIDO

– Ele é excelente para ser utilizado em ambientes como cozinha, banheiro e lavanderia, pois é facilmente limpo e higienizado. Como é um piso monolítico, ele tem bom nível de assepsia, ou seja, evita que micro-organismos se proliferem facilmente;

– Ao final da aplicação você não fica com entulhos para descartar;

– Ele pode ser aplicado em cima de diferentes opções de pisos, como alvenaria, granito, azulejo, assoalho de madeira, mármore, metal, cerâmica entre outros materiais;

Foto: Pinterest

– Possui opções brilhantes ou foscas

– Como não há rejuntes, ou juntas de dilatação, ele evita acúmulo de sujeiras, micro-organismos, agentes contaminantes, líquidos etc. O piso líquido em resina Epóxi impermeabiliza o chão, evitando que esses itens infiltrem-se nele. Ou seja, não há absorção de substâncias como óleos, gorduras, bebidas, materiais de limpeza ou produtos que possam gerar manchas no piso;

– O piso líquido possui boa durabilidade e resistência, podendo suportar produtos abrasivos e alguns tipos de agentes químicos com maior teor de acidez. O grau de resistência pode variar conforme a resina escolhida. Porém, em geral todas aguentam bem e possuem alto nível de resistência se comparadas a outras opções mais comuns do mercado;

– O piso líquido em resina Epóxi necessita apenas de uma ou duas demãos para que se fixe no solo;

– Ele possui boa resistência a arranhões, porém não todos. Vai depender do tipo de resina, modelo, marca etc.;

Foto: Habitíssimo

– Aguenta impactos, movimentação de carga e contato com itens de maior peso também conforme o tipo de resina empregado;

– O piso líquido de resina Epóxi pode ser achado em várias colorações, incluindo incolor e opções metálicas. A opção transparente permite manter a cor original da base;

– A aplicação em grandes ou pequenas áreas é simples e fácil;

– A secagem, ou cura, em geral é rápida, conforme o agente endurecedor usado. Isso ajuda a economizar tempo, o que é bom para locais que não podem ficar muito tempo parados, fechados ou sem uso;

– Caso surjam problemas na superfície, ele pode ser reparado facilmente e de forma rápida;

– Como mencionado acima, ele é autonivelante. Ou seja, torna o chão uniforme. Desse modo, ele acaba suprimindo desníveis, falhas ou imperfeições de superfícies irregulares como as feitas de concreto;

Foto: Dinay Pisos

– O piso líquido pode ser personalizado com ilustrações, padrões, estampas, desenhos, esquemas de tons e cores etc. conforme você preferir. Especialmente o Epóxi, pois, como comentado antes, possui mais opções;

– A manutenção geralmente tem custo baixo;

– A opção brilhosa dispensa a aplicação de materiais como cera e outros produtos químicos usados para dar mais brilho ao chão;

– O piso líquido de resinas de uretano e poliuretano aguentam bem as mudanças de temperatura, evitando melhor o aparecimento de trincas e rachaduras precoces;

– Não possui cheiro forte.

Foto: Pinterest

O piso líquido é uma tendência cada vez mais utilizada por arquitetos e decoradores, pois, além das muitas possibilidades de personalização também possui um dos melhores índices de custo-benefício do mercado, sendo prático e de fácil manutenção.

Ao escolher um piso para sua casa ou apartamento, vale a pena dar uma chance a ele! 

Tem mais postagens na página que podem ser do seu interesse: 

Continue lendo ►

Tipos de Papel de Parede

Elyzia Rodrigues | 8.2.17 | | | | | Seja o 1º a comentar!!
Você é do tipo que ainda acredita que para dar um charme á parede é só pintar de uma cor bem chamativa?

Nada disso! Não é novidade que há inúmeras alternativas de revestimento dos mais variados materiais, durabilidade e preço que podemos encontrar.

Foto: Minha Casa

O papel de parede é apenas uma dessas alternativas e mesmo o papel de parede pode ser encontrado em diferentes opções de material, preço e estampas. 

Os papéis de parede que encontramos no mercado podem ser dos seguintes materiais: 

Celulose – é o papel de parede tradicional, sua durabilidade é bem menor se comparada com os outros, por volta de 3 anos. Se mal instalado pode deixar arestas que o rasgam facilmente. A limpeza deve ser feito somente com pano seco.

Foto: Allux Mobile


Poliéster – é um papel de parede que dificilmente vai rasgar, pois é 100% poliéster, a durabilidade dele é bem superior podendo chegar aos 10 anos. Para limpá-lo pano úmido é suficiente.

VinílicoPapel de parede lavável por causa da camada de vinil em sua superfície, porém o sabão deve ser neutro e a esponja macia para não manchá-lo pela ação de produtos de limpeza e buchas de superfícies abrasivas. Durabilidade de aproximadamente 12 anos.

Emborrachado – Esse papel de parede possui uma camada de EVA em sua superfície, por isso pode ser lavado, e vale aqui as mesmas recomendações sobre o uso de sabão neutro e bucha macia feita pelo papel de parede vinílico para não manchá-lo. Também tem durabilidade de 12 anos.


Foto: Catanduva Post

TNT – Sigla de Tecido Não Tecido, este papel de parede é feito de uma mistura de fibras naturais (algodão e lã) e sintéticas (poliéster e polipropileno) que cria um material muito resistente á umidade e de fácil limpeza e durabilidade.  


COM QUE ESTAMPA EU VOU?

O papel de parede possui uma infinidade de tipos de estampas que podem ser divididas entre motivos florais, listras, geométricas, lúdicas, tribais ou etnícos. 


A escolha fica por conta do freguês, mas vale a pena algumas dicas para ajudar na escolha, não é mesmo?

As estampas florais são mais femininas e podem ser em desenhos menores e mais delicados como em desenhos maiores e mais exuberantes. Essas flores podem ser em muitas cores. 

Se o ambiente em questão é muito pequeno, o papel de parede com listras podem dar uma ampliada no espaço tanto horizontal quanto verticalmente. 

Foto: Monta Casa

Se não gosta de quadros na parede pode usar o papel de parede com motivos geométricos ou tribais, pois eles preenchem o ambiente com mais informações dispensando quadros.

Estampa lúdica é uma boa pedida para quartos infantis, ou para uma decoração mais descontraída.

Quer garantir uma estampa com mais realismo? Então vá de papel de parede 3D, eles são encontrados em estampas bastante realistas de todos os tipos citados acima. 

Foto: Mega Criativo
Continue lendo ►