Dica da Arquiteta

Dica da Arquiteta

Tinta Térmica - Um conforto a mais para sua casa

Elyzia Rodrigues | 18.4.17 | | | | | Seja o 1º a comentar!!
Indústrias e pesquisadores estão constantemente criando alternativas que possam diminuir o consumo de matéria-prima e energia, visto que não existe mais a alternativa de não se fazer isso.

Sendo assim, muitos revestimentos alternativos vão surgindo no mercado, novas soluções tecnológicas para problemas de conforto térmico, acústico, iluminação e ventilação natural.


Foto: Plantas Flores & Jardim

Inicialmente utilizadas em aeronaves, navios e tubulações de grandes dimensões, a tinta térmica ganhou o mercado e tem sido cada vez mais utilizada em galpões industriais, armazéns, shoppings e também em projetos residenciais principalmente quando feitos com container.

A tinta térmica é um revestimento criado através da nanotecnologia constituído de microesferas ou nanopartículas de vidro ocas e cheias de ar que reduzem a transferência do calor para o interior do ambiente.

Essas partículas são misturadas á resina, minerais e pigmentos da tinta. Sua aplicação mais comum é feita em superfícies com maior incidência de sol, como os telhados, mas também podem ser aplicados em paredes.

Foto: Gazeta do Povo

Telhados com telhas de fibrocimento, metálicas, fibras ou cerâmica podem receber essa pintura, assim como as coberturas em concreto.


A tinta térmica reflete mais de 90% dos raios solares incidentes na superfície. Com isso, se considerarmos um ambiente bem ventilado sua temperatura pode variar em até 35%, diminuindo a temperatura interna reduz-se o uso de ar condicionado e em alguns casos pode-se dispensá-lo. Ar-condicionado desligado pode-se obter de 20 a 70% de economia de energia elétrica.

Outro benefício do uso da tinta térmica é a redução dos ruídos em até 30% nas telhas metálicas. O revestimento mais comum utilizado para o isolamento de telhas metálicas é a espuma de poliuretano, mas como a tinta térmica tem um custo 50% menor, em algumas situações ela pode ser mais vantajosa.

Foto: CDLL

As telhas pintadas com tinta térmica facilitam as trocas térmicas evitando o efeito de condensação interna nos períodos de baixas temperaturas.

Por essa mesma razão, a tinta térmica aumenta o período entre as manutenções já que os choques térmicos são minimizados, as dilatações e contrações da superfície da telha são menores contribuindo para sua maior durabilidade.

A tinta térmica pode durar até 20 anos e alguns fornecedores dão garantia de 5 anos. Protege o telhado de corrosões em superfícies metálicas, e contra fungos e bactérias nos demais tipos de telhas.

A aplicação da tinta térmica no telhado não representa impacto de esforços na estrutura, visto que seu peso não ultrapassa 300g/m².

Foto: 2Quartos

Não há necessidade de mão de obra especializada em sua aplicação, pois é feita como as pinturas comuns podendo usar o rolo, pistola ou airless dependendo da dimensão da superfície.

Antes da aplicação da tinta térmica as telhas devem ser lavadas com lavadora de alta pressão para a remoção total de fuligem, poeira, óleos e graxas.

Um balde de tinta térmica rende até 38,0m² e deve ser aplicada duas demãos.
Essa é apenas uma das várias alternativas para minimizar os desconfortos térmicos do seu ambiente.


 Foto: Pinterest

Já utilizou essa alternativa?
Conta aqui como foi!

Continue lendo ►

Dica da Arquiteta - 2 anos

Elyzia Rodrigues | 11.4.17 | | | | | Seja o 1º a comentar!!
Uma das minhas maiores motivações é compartilhar o que aprendo, eu adoro aprender coisas novas e meus olhos brilham quando posso ensinar o que aprendi.





Há dois anos atrás me comprometi a investir nessa página com a intenção de compartilhar o conhecimento que tenho sobre arquitetura.

Hoje o que posso dizer a todos vocês é: 
Muito obrigada por essa oportunidade!
Muito obrigada aos que sempre oferecem sugestões, dicas para postagens, aos que corrigem erros ou esclarecem melhor as informações que compartilho.

Continue lendo ►

Recicladora de lixo orgânico - Estratégia inteligente

Elyzia Rodrigues | 4.4.17 | | | | | | Seja o 1º a comentar!!
O assunto hoje é sério! Como anda o depósito de lixo do seu condomínio? 
Muitas vezes é mal cheiroso, tem muita barata, rato e por vezes até escorpiões?

Foto: UOL
Paisagismo: Benedito Abbud - Rio de Janeiro - RJ

Uma detetização pode amenizar o problema, mas que tal resolver o problema de forma mais sustentável?
Desde o dia 02 de agosto de 2010 foi instituída a Lei 12.305 que regula a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Infelizmente, desta data até hoje pouco dessa política foi realmente posta em prática.

Mas o que nós como cidadãos podemos fazer?

Algumas empresas privadas estão fazendo a sua parte e entre elas está a 5ECOS, uma empresa da cidade de Nova Odessa em São Paulo formada por um grupo de profissionais de diversas áreas que visa desenvolver produtos e serviços voltados para as boas práticas ambientais.

Essa visão deu origem a recicladora de lixo orgânico, equipamento que emprega o processo de compostagem acelerada em ambiente controlado.

Foto: 5ECOS

O equipamento funciona assim:

O lixo orgânico é depositado em seu compartimento e os parâmetros do ambiente são controlados de tal forma que a compostagem aconteça no seu melhor rendimento, ou seja, na decomposição do lixo orgânico de forma acelerada, em 24hs.

O processo atinge a máxima eficiência, sendo capaz de converter o lixo orgânico em um composto de volume muito reduzido (em média 20% do volume original em 24hs) rico em nutrientes, e também, livre de agentes patogênicos.

Foto: Vale Feliz

Ou seja, pode-se ter menos lixo no depósito do condomínio antes mesmo do caminhão de limpeza urbana do bairro passar pela segunda vez na semana!

Não é segredo para ninguém que o descarte inadequado do lixo orgânico no meio ambiente polui o solo e as águas dos lençóis e rios, devido à liberação do chorume, além de poluir o ar através da liberação do gás metano, contribuindo para piorar ainda mais o efeito estufa.

Tomar a iniciativa de reciclar o lixo orgânico impede que ele se transforme em chorume e metano, anula seu potencial poluidor e o transforma em composto.



A reciclagem do lixo orgânico ou não, juntamente com a diminuição do desperdício, são necessidades inadiáveis no mundo atual.

As ações efetivas e conjuntas dos governos, sociedades e empresas precisam acontecer em número cada vez maior.

A utilização da recicladora de lixo orgânico é adequada não somente para condomínios residenciais, mas também para diversos segmentos, tais como: Indústrias, Cozinhas Industriais, Restaurantes Comerciais, Hospitais, Hotéis, Supermercados, Shopping Centers, Aeroportos, Presídios, Hortas comunitárias, Condomínios residenciais e outros.

Foto: SustentArqui

Para fazer uso da recicladora de lixo orgânico é preciso respeitar alguns critérios de reciclagem.
Podem ser reciclados: 

- Frutas, legumes, verduras com ou sem casca; Carne, peixes e aves; Casca de ovos, espinhas e ossos pequenos; Pães, bolos e biscoitos; Sobras de refeições; Guardanapos e coadores de papel.

 

Não podem ser reciclados: 

- Borracha, metal e vidro; cigarros; sacolas plásticas; ossos grandes; baterias e eletrônicos (já existem alguns lugares que recebem esse tipo de material); medicamentos e produtos químicos (algumas farmácias também recolhem medicamentos vencidos); galhos de árvores e casca de côco; qualquer outro material inorgânico. 


A utilização desse sistema traz benefícios diretos para médios e grandes geradores de lixo orgânico, tais como:
- Adequação integral à Lei 12.305 Política Nacional dos Resíduos Sólidos. Embora ainda não haja uma fiscalização exigindo seu cumprimento, essa realidade pode mudar a qualquer momento e quem estiver na frente vai com certeza ter muito menos dor de cabeça.

- Transformar passivo ambiental em benefício ambiental. O lixo orgânico tem um potencial de reciclagem e reutilização alto, conseguindo gerar lucratividade para quem conseguir fazer uso adequado dessas características. 

- Anular o potencial poluidor do lixo orgânico. Depósito de lixo com pouca ou nenhuma barata! 

- Transformar lixo em composto (condicionador de solo), devolvendo ao solo os nutrientes que saíram do solo. Os jardins do condomínio, praças, hortas poderão ser nutridos com muito mais frequência e sem custos adicionais. 

- Reduzir significativamente o volume do lixo orgânico. Vale lembrar que matéria orgânica não tem valor para os catadores de materiais recicláveis.

- Facilitar o manejo do lixo orgânico e reduzir os custos com manejo e transporte.
Foto: Canal Rural

- Aumentar os índices de reciclagem. Um bem para nós, para a economia e para o planeta. 

- Reduzir custos com manejo e transporte do lixo orgânico.

- Reduzir ou anular a necessidade de sacos plásticos.

- Exclui a necessidade de câmara frigorífica.

- Manuseio mais humanizado para o funcionário responsável pelo descarte do lixo orgânico.

Continue lendo ►

Ladrilho hidráulico - Para projetos rústicos e modernos

Dica da arquiteta | 28.3.17 | | | | | | Seja o 1º a comentar!!
Sempre que entro em um ambiente revestido com ladrilho hidráulico seja o revestimento no piso ou na parede, me lembro da minha infância no hotel da minha avó. 
Esse material sempre nos remete a lembranças de tempos passados. 
E mesmo que o piso ou parede tenham sido feitos recentemente essa nostalgia permanece.

 Foto: Casa & Jardim
No período entre os anos 1970 e 1980 com o surgimento das cerâmicas que dominaram o mercado de revestimentos, o ladrilho hidráulico deixou de ter a importância que tinha e passou por um período de longo ostracismo.

Porém, nos anos de 1990 com a valorização do patrimônio histórico, com a revitalização de vários exemplares da arquitetura antiga e a necessidade de peças para serem substituídas, algumas fábricas retomaram sua atividade recuperando aos poucos a produtividade dos áureos tempos.
Foto: Imgrum

O ladrilho hidráulico é um material á base de cimento, feito de forma artesanal, com mão-de-obra especializada.

As peças são fabricadas uma a uma e são vendidos sob encomenda.

Foto: Ladriminas

O processo de fabricação do ladrilho hidráulico se dá a partir de um molde de metal (os atuais são feitos de latão, os mais antigos feitos de ferro ou bronze) colocado sobre uma placa de metal de prensagem, tintas feitas a partir de corantes, cimento branco, diabásico, pó de pedra e água.

O desenho desse molde poderá ser em formas geométricas, folhas ou flores.

Foto: Fábrica de Mosaico

Quanto mais sofisticado o desenho do molde mais cores ele poderá ter.

Atualmente existe uma variedade cada vez maior de moldes criados recentemente por decoradores e arquitetos.

Foto: Decoresalteado
Arquitetura: Unio Arquitetura

Faz-se a retirada desta placa de prensagem e o coloca em outra base de apoio deixando em repouso por 12 horas. 

Após esse tempo os ladrilhos vão para imersão em água por um período de 8 a 10 horas para hidratação da massa seca.

Quanto mais tempo o ladrilho hidráulico fica imerso na água mais resistente ele fica.
Retirados da imersão ficam de 15 a 25 dias em processo de cura quando serão encaixotados e enviados aos clientes.
Foto: Ladriminas
É um revestimento poroso, logo absorve facilmente água e óleos. 

Seu assentamento é feito em  junta seca, deve ser feito sobre contrapiso limpo e nivelado e em alguns casos devidamente  impermeabilizados para proteção das peças.

Suas dimensões mais comuns são: 10x10cm, 15x15cm, 20x20cm, 30x30cm e 40x40cm, possuem 2 a 3cm de espessura, porém, por se tratar de um material fabricado artesanalmente suas dimensões poderão variar de uma peça para outra em mais ou menos 1mm.

Foto: Flick
 
Essas diferenças entre as dimensões da espessura das peças do ladrilho hidráulico devem ser consideradas no momento do assentamento, para que o acabamento final do piso não fique desnivelado.

Os ladrilhos hidráulicos podem ser usados em paredes, pisos internos e externos, bordas de piscinas e pátios.

Para aumentar a durabilidade do ladrilho hidráulico aplica-se, depois de assentado e devidamente seco e limpo, resina e cera acrílicas para proteção.

O ladrilho hidráulico é um material que quanto mais se usa mais bonito fica, pode durar mais de 50 anos desde que sua conservação seja feita da maneira correta.

Foto: Espaço Casa

Água e sabão neutro são os melhores produtos que se pode usar em qualquer tipo de piso. Cera líquida  incolor também pode funcionar para conservação do piso resinado.

Não se deve usar material de limpeza á base de ácido muriático, água sanitária ou que tenham esses materiais em sua composição.

Piso decorativo, durável e resistente, o ladrilho hidráulico recuperou a sua nobreza na arquitetura e decoração e pode novamente fazer parte das nossas memórias.

Continue lendo ►

Como aproveitar áreas externas nos dias frios

Elyzia Rodrigues | 21.3.17 | | | | | | Seja o 1º a comentar!!
O outono chegou e daqui para frente as temperaturas vão ficar mais baixas...
Período em que todos desejam ficar mais tempo dentro de casa.

Foto: Pinterest

Que tal criarmos uma forma diferente de aproveitar as áreas externas?
Imagine apreciar as noites de lua cheia, tomando um bom vinho com sua família e/ou amigos em volta de uma lareira externa.

Já falamos sobre tipos de lareiras, mas hoje o assunto são as lareiras externas.

Embora de um modo geral o Brasil seja um país com poucos dias frios, lugares de maior altitude, com muita vegetação e presença de água costumam ser mais frios mesmo fora desse período, então são em lugares assim que as lareiras externas podem ser mais aproveitadas ao longo do ano.

Foto: Lar Doce Lar

Em países do hemisfério norte esses espaços são chamados de fire pits ou fire place e é muito comum vê-los em filmes.

A montagem de uma lareira na área externa pode ser bem simples, porém, o arquiteto pode ajudá-lo a pensar qual a lareira cabe melhor no espaço que tem disponível e a melhor maneira de coordenar modelo com como gostaria de usá-lo.

Pode-se aproveitar um pequeno cantinho do jardim, ou criar uma lareira de pedra aproveitando alguma depressão do terreno ou mesmo uma parte da área da piscina que é subutilizada em dias mais frios.

Foto: Casa & Jardim
Arquitetura: Paula Galbi

Você prefere criar um clima mais intimista ou um espaço para muitas pessoas?
Será somente para aquecer quem estiver em volta ou também terá a função de assar pizza e aquecer fondue?

A lareira será o centro do ambiente ou apenas coadjuvante?

Como visto no post sobre lareirasparte I e parte II desta página existem diferentes tipos de lareiras no mercado, elas podem ser convencionais feitas de tijolos refratários ou pedra, pré-fabricadas ou metálicas, esses modelos exigem a instalação de chaminés e do uso de lenha.

Foto: Pinterest

Esses modelos de lareira precisam de um espaço para o depósito de lenha e não há como controlar a temperatura produzida através de termostato. Também precisam de telas de proteção contra fagulhas.

Também temos as lareiras á gás, as elétricas ou as ecológicas, modelos que não necessitam de lenha na produção do calor, não produzem calor nem cheiro, com instalação e manutenção muito mais simples e rápida.

A lareira á gás necessita de instalação, elétrica e gás, ela funciona como um fogão com acendimento automático com dispositivo de segurança e controle das chamas. Quando instaladas em nichos estes devem ser em tijolos refratários.

Foto: Bacana de Viver

As lareiras elétricas funcionam através do aquecimento de uma resistência ou ventoinha, as chamas são imagens virtuais em 3D e as lareiras ecológicas através da utilização do álcool tradicional.

A grande vantagem desses modelos é que podem ser instaladas em nicho de alvenaria, com tijolos comuns, em nichos de gesso ou no interior de móveis fixos ou com rodízios. São modelos que possuem termostato e não precisam de tela de proteção contra fagulhas.

Foto: Pinterest

Todos os modelos de lareiras podem ser usados internamente externamente.

Uma observação importante é que por se tratar de área externa, o mobiliário, as luminárias e adornos devem ser pensados com cuidado pois estarão sujeitos ás oscilações climáticas todo o tempo.

Foto: Casa & Jardim
Arquitetura: Alexandre Furcolin

Mas se tiver dúvidas veja a postagem sobre mobiliários externos aqui.

Nas próximas noites frias de céu estrelado, com ou sem lua cheia, munido de uma manta bem felpuda e uma taça de vinho... Conta pra gente como foi a sua experiência!

Se quiser ser o primeiro a receber as postagens que a gente publica, cadastre o seu e-mail no botão “Acompanhe”.

Fonte:
Doce Obra
Casa Très Chic
Casa & Jardim


Continue lendo ►

Você sabe escolher a esquadria ideal para seu projeto?

Elyzia Rodrigues | 14.3.17 | | | | | | Seja o 1º a comentar!!
Esquadria é o nome dado a portas, janelas, portões, divisórias e demais vãos de abertura de uma construção. São elementos que controlam a entrada de luz e ventilação em um ambiente, além de funcionarem como detalhe arquitetônico e dispositivo de segurança.

Foto: Flickriver - Pedro Kok's
 Edifício Loureira - SP - 1946
Arquitetura: Vilanova Artigas

As esquadrias correspondem entre 10 e 15% do custo total da obra, ou seja, a sua escolha deve ser feita com cuidado, então mesmo que a sua preferência seja por um tipo de janela específico, só um arquiteto conseguirá integrar estética, desempenho e custo ao projeto  como um todo.

As esquadrias podem ser fornecidas prontas com medidas e modelos pré-definidos ou sob medida, onde os modelos e as dimensões serão conforme a necessidade ou desejo do cliente.

Diante disso, a pergunta que se faz é:

Quais são as vantagens e desvantagens de cada material e como fazer uma boa escolha levando em consideração diferentes itens como manutenção, durabilidade, estanqueidade, preço e beleza?
 

ESQUADRIAS DE MADEIRA
 
A madeira é um dos mais antigos materiais usados como vedação de vãos. Ela possibilita um acabamento único, pois pode ser feito em diferentes tipos de madeira, como grapuia, itaúba, jatobá, feijó, entre outras. Garante rusticidade e sensação de aconchego aos ambientes.

Foto: Home Caprice

Vantagens:
- Funciona bem como isolante termo-acústico.
- Possibilitam uma infinidade de tipologias e dimensões podendo ser totalmente personalizada.
- Durabilidade, quando mais dura a madeira maior a durabilidade das esquadrias.
- Facilidade de instalação de grades e telas mosquiteiros.
- Pode ser com ou sem vidro e com ou sem veneziana.

Desvantagens:
- Manutenção constante, deve ocorrer pelo menos entre 6 e 24 meses ou dependendo da necessidade. As esquadrias de madeira pintadas com vernizes incolores precisam de mais manutenção do que as esquadrias que são pintadas com tinta esmalte.
- Estão mais sujeitas ás variações de temperatura e umidade.
- Sua estanqueidade deixa a desejar, ela será maior ou menor dependendo da tipologia escolhida.
- Preço alto, principalmente em modelos personificados.
 

ESQUADRIAS DE FERRO
 
As esquadrias de ferro são muito comuns no Brasil, principalmente as esquadrias feitas de ferro batido. O ferro é bastante utilizado na confecção de grades e portões de garagens, que são feitos em barras redondas ou chatas, e também em tubos e telas.

Foto: Decorando a Casa

Vantagens:
- Quando confeccionadas com uma boa drenagem das águas de chuva e de lavagem apresentam grande durabilidade.
- Variedade de tipologias, com ou sem grades.
- Possibilidade de modelos sob medida.
- Preço baixo.

Desvantagens:
- São fornecidas sem o vidro que deve ser comprado separadamente e instalados á esquadria no local da obra.
- Estanqueidade também deixa muito á desejar, principalmente quando a massa de fixação dos vidros estão ressecadas.
- Manutenção constante, tanto da pintura quanto da massa de fixação.
- Baixa resistência á corrosão.
- Devem ser evitadas em construções de áreas litorâneas.

ESQUADRIAS DE AÇO
 
As esquadrias de aço mais comuns no mercado recebem durante a fabricação uma camada de pintura eletroforética para aumentar a sua durabilidade e resistência á corrosão. 

Foto: Serralheria RGA

Vantagens:
- Elevada resistência á corrosão.
- Variedade de tipologias.
- São vendidas nas cores: branca e preta
- Preço baixo.

Desvantagens:
- Alguns modelos são fornecidos sem o vidro.
- Manutenção constante.
- Estanqueidade média.

ESQUADRIAS DE ALUMÍNIO

As esquadrias de alumínio são as mais utilizadas nas construções de edifícios. São ideais para construções mais modernas.

Foto: Acex Design
Palácio Iguaçu - Curitiba - PA 

Vantagens:
- São mais leves que as esquadrias de ferro e madeira.
- Variedade de tipologias.
- Variedade de cores: alumínio natural, branco e preto.
- Estanqueidade muito boa.
- Ideais para construções em áreas litorâneas pois não enferruja.
- Grande durabilidade.
- São fornecidas com o vidro já instalado.
- Melhor custo-benefício.

Desvantagens:
- Grande condutor de calor.
- Dificuldade de personalizar um modelo, a não ser que seja contratada a fabricação de um grande volume de unidades.
- Esquadrias na cor marrom, só são vantajosas se a compra for em grandes volumes.

ESQUADRIAS DE PVC

São esquadrias relativamente novas no mercado, são esquadrias feitas em PVC com alma de aço, embora feita em perfis mais robustos que as esquadrias de alumínio são bem mais leves. Já são sonho de consumo de muita gente por seu visual mais limpo e moderno.

Foto: Complac Pisos

É preciso ficar atento ao tipo de PVC utilizado na fabricação, pois somente esquadrias fabricadas com o U-PVC são resistentes ao amarelamento da peça ao longo do tempo.

Vantagens:
- São atérmicas, não conduzem o calor para o interior do ambiente.
- Melhor isolamento acústico entre todos as tipologias citadas.
- Excelente estanqueidade, pois são fabricadas sem junções.
- Ideais para construções em áreas litorâneas pois não enferruja. 
- São duráveis, versáteis e fácil de limpar.
- Manutenção baixa.

Desvantagens:
- Dificuldade de personalizar um modelo ou cor, a não ser que seja contrada a fabricação de um grande volume de unidades.
- Preço alto.

ESQUADRIAS DE VIDRO

São esquadrias usadas em construções mais modernas formando grandes panos transparentes. Seu isolamento acústico é variável conforme a espessura do vidro ou a quantidade de camadas de vidro utilizadas na instalação.

Foto: Caramel Architects

Vantagens:
- Alta durabilidade.
- Baixa manutenção.
- Facilidade de limpeza.

Desvantagens:
- Preço alto.
- Condutor de calor para o ambiente.
- Baixa estanqueidade, desde que instalada fechando vãos corretamente.
- Instalação com mão-de-obra especializada.
 
Se quiser ser o primeiro a receber as postagens que a gente publica, cadastre o seu e-mail no botão “Acompanhe”.
Continue lendo ►

Feliz Dia Das Mulheres!

Elyzia Rodrigues | 8.3.17 | | | Seja o 1º a comentar!!
Que toda a nossa força, coragem e luz floresça hoje e sempre!
Parabéns a todas as mulheres!



Continue lendo ►

Tapetes - Pra deitar, rolar e decorar!

Elyzia Rodrigues | 7.3.17 | | | | | Seja o 1º a comentar!!
Não importa o tamanho do ambiente, o tapete é uma peça que com toda certeza vai dar mais charme, elegância e aconchego a ele.

Foto: Transformando sua Casa

Independente do tipo de piso que queira cobrir há uma infinidade de materiais, estampas, cores, texturas, formas e tamanhos. 
A escolha é sempre muito particular!

Mas como tantas variedades de tapetes, como escolher aquele que seja o mais adequado?
Vamos lá!

Foto: Pinterest

Os tapetes servem tanto para delimitar diferentes ambientes como melhorar o conforto acústico, principalmente os de maior espessura. 

Há no mercado tapetes fabricados em medidas padrão 1,50x2,00m, 2,0x2,50m ou 2,0x3,0m, mas também podemos comprar sobre medida. O importante é que ele seja proporcional ao ambiente em que vai ficar.  

Foto: Casa Abril

Quanto aos materiais encontrados no mercado podem ser tanto de fibras naturais quanto fibras sintéticas.  

Lã: A lã é o material mais usado na fabricação de tapetes e a principal matéria-prima dos tapetes de pêlo de alta qualidade. É bastante resistente, é a qualidade da lã que determina a resistência dos tapetes a desgaste e danos. Os tapetes de lã tem maior durabilidade que os sintéticos e naturalmente resistem à formação de ácaros, que podem provocar alergias.

Foto: Pinterest

Algodão: As tapeçarias usam o algodão e a lã na fabricação de muitos tapetes. Os tapetes de lã com algodão são macios e normalmente tem um valor menor que os tapetes feitos somente com as fibras de lã. Porém, o algodão tende a se desgastar mais rapidamente do que a lã.

Sisal: Feito a partir da fibra da planta Agave sisalana é um tapete extremamente sensível à umidade, pois mancha com facilidade em contato com líquidos, porém, é ótimo para quem sobre com alergias, pois, basta ser aspirado para rapidamente ficar livre do pó.  É um tapete com um bom custo-benefício.  

Foto: Pinterest

Couro: O couro sempre foi muito utilizado nos tapetes desde os tempos antigos e reapareceu na decoração dos ambientes contemporâneos. Com textura macia e aconchegante, o material permite diversos usos e acabamentos, pode ser encontrado no modelo formado por quadrados costurados ou no formato original do corpo do animal. Necessitam de lavagem e secagem com produtos especiais.



Foto: Pinterest

Polipropileno: fibra sintética resistente às manchas e fácil de limpar.

Nylon:  Embora seja sintética, a fibra de nylon é a melhor, pois é resistente ao trânsito, aos insetos, à umidade e quase a qualquer tipo de manchas, além de ser muito fácil de limpar.

Foto: Pinterest

Quanto ás estampas os tapetes podem ser de cores neutras ou não. As cores neutras são ideais para ambientes pequenos, pois proporcionam uma impressão de amplitude, diferente das cores escuras como os azuis e verdes escuros, preto, marrom e cinza grafite. 

Também encontramos estampas geométricas, listradas ou floridas.

Foto: Pinterest

Os tapetes de lã são indicados para estilos mais casuais. Os tapetes persas ficam melhores em ambientes mais formais e elegantes. 

A forma de fabricação dos tapetes dá origem a diferentes acabamentos: 

Foto: Pinterest

Buclê (ou Boucle): É um tapete de aspecto compacto, tecido com grossos fios de lã ou algodão, que formam anéis com os fios da própria trama, formando um pêlo largo enrolado, adequado para todos os tipos de ambientes, principalmente, os de mais modernos. É produzido na proporção de 80% lã e 20% algodão. São peças muito confortáveis.

Alto Trâfego: São utilizados em escritórios e ambientes comerciais. São tapetes de fibras de nylon que formam pêlos curtos e fáceis de limpar. É o melhor modelo para quem tem bichos de estimação em casa.

Foto: Pinterest

Pêlo Cortado: Similar ao buclê, mas com os anéis da trama cortados. É muito elegante e confortável.

Patchwork: Geralmente de couro, são ideais para casas mais rústicas ou ambientes que misturam estilos. Podem ser colocados embaixo de um sofá ou da mesa de centro.

Foto: Pinterest

Tapetes com Relevo: São tapetes confeccionados apenas com desenhos formados pelas diferenças de altura do pelo geralmente em uma única cor de fios. 

Os tapetes podem ser quadrados, redondos, retangulares ou como no caso dos tapetes de couro de animais de forma irregular. 


Foto: Pinterest

Antes de comprar o tapete verifique como ela fica no ambiente, nas salas de jantar o ideal é que ele tenha tamanho suficiente para acomodar a cadeira com uma pessoa sentada com sobra pois sem essa folga a cadeira se enrosca com o tapete. 

Tapetes de crochê, de retalhos de tecido colorido e até de calça jeans.

Continue lendo ►

Hidrocultura ou Hidroponia - Opção para quem quer plantas fáceis de cuidar

Elyzia Rodrigues | 21.2.17 | | | | | | Seja o 1º a comentar!!
Você gostaria de ter plantas e ervas em casa, mas toda tentativa de cultivar acaba frustrada, pois todas morrem por excesso ou falta de alguma coisa que você nunca consegue descobrir? 

Foto: Pinterest

Calma! Há uma maneira de cultivar certas ervas que proporcionam um delicioso sabor á comida e um cheio super agradável na sua cozinha e também plantas que embelezam e dão graça aos ambientes sem precisar mexer com terra ou saber a quantidade adequada de rega que elas precisam. 

Algumas espécies de plantas se adaptam bem ao cultivo somente em água, em um sistema chamado de hidrocultura ou hidroponia.

O princípio básico da hidrocultura ou hidroponia é muito simples e bem conhecido.

Lembram-se da aula de ciências em que cultivávamos batata-doce num recipiente com água e esperávamos pelo desenvolvimento das raízes e folhagem?

Foto: Surpresaria

Pois foi a partir deste princípio simples que se desenvolveu e se aperfeiçoou o sistema de hidrocultura ou hidroponia, que passou a utilizar além da água, fertilizantes, argila expandida ou pedregulhos e recipientes especialmente desenvolvidos para este fim.

Este método de cultivo é um sistema bastante limpo e simples de ser conduzido, além disso não dá muito trabalho com transplantes, as plantas quando adequadas a este sistema desenvolvem-se bem e livres de problemas com doenças ou insetos provenientes da terra.

Ou seja, para quem tem pouco tempo para cuidar das plantas é um modelo perfeito!

Para começar o cultivo através da hidroponia ou hidrocultura vamos precisar de:

1-Recipiente ou vaso em material impermeável

Os recipientes de vidro são os mais indicados, além de bonitos, eles permitem que se possa observar o desenvolvimento das raízes. Recipientes em metal ou cobre, principalmente os não tratados podem reagir com os elementos químicos contidos nos fertilizantes e, ainda pior, podem enferrujar. Evite-os!

Foto: Alibaba

2- Agregado para firmar as raízes. 

É possível usar argila expandida, pedrinhas ou pedregulhos. A argila expandida é especialmente indicada para a hidrocultura, pois suas características facilitam a distribuição de água por todo o recipiente e ainda favorecem a circulação de ar.

3- Fertilizante

Pode-se utilizar um fertilizante líquido genérico (NPK 10-10-10), adicionado à água, porém, corre-se o risco de haver cristalização dos nutrientes não absorvidos, que acabam se concentrando nas raízes. 

O resultado é que se torna necessária uma lavagem periódica das raízes, geralmente a cada 3 meses, para que a planta não seja prejudicada. É preferível optar pelo uso de uma solução fertilizante com fórmula especialmente desenvolvida para a hidrocultura, que pode ser encontrada nas lojas especializadas em jardinagem. 

Foto: Alibaba

Os recipientes de boca estreita acomodam melhor as estacas e as mantêm retas. Porém, evite vidros de bico apertados demais, pois as raízes precisam respirar.

Ao acomodar as plantas nos vidros todas as folhas na parte inferior da estaca devem ser removidas, pois em contato com a água elas apodrecem. 

A água do vidro deve ser trocada uma vez por semana. A medida que  as raízes começarem a crescer, por volta de 2 a 6 semanas, você não precisa mudar a água. 

CUIDADOS

O principal cuidado é manter o nível correto da solução (água + fertilizante). 

Foto: Pinterest

Existem no mercado vasos especialmente desenvolvidos para este fim, com um marcador embutido para indicar o nível mínimo e máximo. 

O marcador também pode ser comprado avulso e adaptado a outros vasos.

Outra opção é fazer em casa mesmo a marcação na lateral do vaso, baseando-se no fato de que cerca de 1/3 do agregado utilizado (argila expandida ou outros) deve ficar submerso.

Observar, periodicamente, se a planta está dando sinais de carência de nutrientes (desenvolvimento lento e insatisfatório, por exemplo). 

Foto: Baú de Ideias

Caso isso ocorra, é preciso corrigir o problema com a adição de mais fertilizante. 

Mudar a planta de vaso sempre que as raízes se mostrarem muito volumosas ou compactadas, tornando o recipiente incompatível com o seu tamanho.

As ervas que melhor se adaptam á hidrocultura ou hidroponia são:

Alecrim, Sálvia, Hortelã-pimenta, Estragão, Manjericão, Hortelã-verde, Orégão, Bálsamo de limão e Stevia.

Não gosta de ervas? Então, que tal fazer arranjos com outros tipos de plantas

Foto: Imgrum

O bambu-da-sorte se adapta muito bem a esse tipo de sistema de cultivo, assim como a espada-de-São Jorge, o antúrio, a jibóia, o lírio-da-paz, papiro, palmeiras, samambaias, dracena, hera e cróton. 

E aí? Se animou agora a tentar mais uma vez? 
Conta pra gente como foi a aventura!

Se quiser ser o primeiro a receber as postagens que a gente publica, cadastre o seu e-mail no botão “Acompanhe”.

Continue lendo ►